Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Aviação russa destrói quase 2.000 alvos dos terroristas na Síria em fevereiro

A aviação russa destruíu quase 2 mil alvos dos terroristas no que já foi de fevereiro, disse o porta-voz do Ministério da Defesa da Federação da Rússia, major-gneral Igor Konashenkov.


Sputnik

Os dados são dos dias 4 a 11 de fevereiro. Neste período (da quinta-feira da semana passada à quinta de hoje), os aviões da Força Aeroespacial da Rússia realizaram 510 voos de combate, atingindo 1.888 instalações dos grupos terroristas nas províncias de Aleppo, Latakia, Hama, Deir ez-Zor, Deraa, Homs, Hasakah e Raqqa. 


Bombardeiros táticos Su-34
Sukhoi Su-34 © Sputnik/ Host Photo Agency / Vladimir Vyatkin

Mais de 40 militantes foram mortos pelos ataques russos na província de Latakia. Os Su-25 eliminaram 9 caminhões que transportavam armamentos e munições nesta província, que é também sede da base aérea de Hmeymim, que acolhe os aviões russos.

Konashenkov frisou que os nove veículos formavam três filas de automóveis. Eles foram avistados pelos pilotos russos na rodovia que liga el-Karyateyn e Homs.

Na província de Deraa, o bombardeiro russo Su-34 eliminou um centro de comando do grupo terrorista Daesh.

"Os dados do controle objetivo confirmam a eliminação de duas unidades de material blindado dos militantes", disse o porta-voz do ministério russo.

O Daesh, sob o nome primeiro de "Estado Islâmico do Iraque e do Levante" e depois de "Estado Islâmico", proclamou um "califado mundial" na cidade síria de Raqqa, em agosto de 2014.

Deserções e Aleppo

O major-general Konashenkov informou que há registros de deserção em massa entre os militantes na província de Aleppo. "Os terroristas fazem as pessoas se deslocarem à fronteira turca para se dispersarem na multidão", assim é a atmosfera de medo e opressão desesperada descrita pelo militar.

Comentando a situação nesta província da Síria, Konashenkov não podia deixar de sublinhar a posição russa sobre a visão do conflito apresentada pela mídia ocidental.

"A coisa ficou tal que os principais canais de televisão americanos e europeus usam imagens da cidade de Aleppo, destruída muito tempo antes do início da campanha russa na Síria, para demonstrar as supostas consequências dos bombardeios russos", frisou.

No entanto, ele insistiu que a aviação russa só bombardeia os terroristas na Síria — e na província de Aleppo, onde já conseguiu eliminar "influentes chefes jihadistas". 


Aleppo em 2014
Aleppo em 2014 © AFP 2016/ BARAA AL-HALABI

A Rússia realiza uma campanha aérea na Síria desde 30 de setembro de 2015, quando o parlamento russo aprovou o pedido de Damasco solicitando ajuda militar da Rússia no combate aos grupos terroristas Daesh e Frente al-Nusra.


Postar um comentário