Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

Coalizão enfraquece, e EUA ameaçam usar força na Síria

O Pentágono está “claramente frustrado com a falta de apoio de seus aliados do Ocidente”, e o governo americano ameaça resolver a crise síria militarmente, escreve o jornal alemão Deutsche Wirtschafts Nachrichten (DWN).


Sputnik


Anteriormente, o secretário de Defesa, Ashton Carter, pediu maior envolvimento dos países da coalizão internacional que combate os terroristas do Daesh, escreve o DWN, citando a entrevista de Carter à CNBC. 


Joe Biden © Sputnik/ Mikhail Fomichev

De acordo com o secretário, muitos países da coalizão mostram comprometimento insuficiente na luta contra o terrorismo na Síria. Os EUA poderiam fazer muito sozinhos, mas também esperam que outros países entre os 65 da coalizão façam “sua parte”.

Normalmente, os EUA se referem à coalizão como um exemplo de determinação na luta contra os jihadistas. Ultimamente, porém, Washington vem se frustrando com os esforços insuficientes da Turquia para melhorar seu controle fronteiriço, assim como a omissão de vários países árabes que, embora integrantes da coalizão, em nada contribuem para as atividades na Síria. “Os Estados Unidos estão claramente descontentes com a Turquia e a coalizão”, escreve o DWN.

Segundo o vice-presidente americano, Joe Biden, uma solução política para o conflito na Síria seria melhor, mas caso não funcione, os EUA estão preparados para resolve a crise usando meios militares.

O primeiro passo planejado pelos americanos é estabelecer uma base no nordeste da Síria. Forças especiais dos EUA e especialistas expandiriam um aeroporto agrícola na cidade de Rmeilan, na província de Hasakeh, para que seja possível pousar com helicópteros e aviões de carga. Assim, entregariam equipamentos e munição aos curdos, informou uma fonte do exército sírio à AFP no último sábado.

A medida, se não for autorizada pelo governo sírio, pode constituir uma clara violação das leis internacionais, escreve o DWN. Segundo o jornal, toda a operação militar da coalizão não foi aprovada pelas autoridades da Síria e pode ser considerada uma violação da soberania do país.

“Entretanto, o principal motivo para o nervosismo de Washington está mais no sucesso da Rússia na região de Latakia do que na omissão dos parceiros ocidentais dos EUA. Os russos estabeleceram uma aliança eficiente com Síria, Irã e Iraque. Em particular, conseguiram devolver ao exército sírio o seu poder”, conclui o jornal alemão.



Postar um comentário