Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Única mulher a bordo do submarino argentino desaparecido é oficial pioneira

Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é a 'primeira submarinista' da Argentina. O ARA San Juan desapareceu com 44 tripulantes no Atlântico Sul.
G1

Única mulher no submarino militar argentino desaparecido com 44 tripulantes no Atlântico Sul, Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é descrita pela imprensa local como primeira oficial submarinista do país e da América do Sul. Ela ocupa o cargo de chefe de armas do ARA San Juan, que perdeu contato com a terra na sexta-feira (17).

Eliana nasceu em Oberá, na província de Misiones, no nordeste da Argentina, e só conheceu o mar aos 21 anos de idade, destaca o perfil do jornal "Clarín". Após se formar no ensino médio, ela se matriculou na Universidade de Misiones para fazer faculdade de Engenharia Industrial.

Duas tragédias familiares levaram Eliana a desistir do curso: a morte de um irmão, em um acidente de trânsito, e a morte da mãe, em decorrência de um problema cardíaco.

Em um perfil publicado em 2015 na revista "Viva", que …

Curdos: pretendemos liberar todo o território do Daesh

Agora 5% do território do Curdistão iraquiano está sob o controlo do Daesh, mas as forças peshmerga pretendem liberar todo o território em breve, disse o representante oficial do Ministério dos Assuntos dos Peshmerga em Arbil, general Helgurd Hikmet.


Sputnik

“Na nossa região estão 160 mil soldados peshmerga. Durante os confrontos com militantes do Daesh até agora perdemos 1345 dos nossos combatentes. Cerca de 8 mil ficaram feridos, 62 soldados desapareceram. Conseguimos capturar alguns terroristas vivos do Daesh…”, disse Hikmet.


Membro do peshmerga, grupo armado curdo,  toma posição perto de represa Mosul do rio Tígre, Iraque, 1 de fevereiro de 2016
Soldado Peshmerga © AFP 2016/ SAFIN HAMED

Segundo o general, algumas regiões do Curdistão iraquiano ainda estão sob o controle do Daesh, mas são poucas, é somente 5% do território.

“O nosso objetivo principal é liberar completamente os nossos territórios dos jihadistas. Agora, tornou-se um objetivo bastante realista e planejamos atingi-lo em breve”, afirmou o general.

Quanto às relações entre o exército iraquiano e as forças peshmerga, Hikmet disse que o governo central do Iraque não presta apoio necessário aos peshmerga, embora precise deles. Há uma série de problemas nas relações que ainda não conseguiram ser resolvidos.

O general curdo afirmou que no passado foi realizado um referendo não oficial, no qual 98% da população se manifestaram a favor de criar um Curdistão independente. As autoridades iraquianas não fazem nada para o desenvolvimento econômico e político da região curda.

“Não faz sentido ficarmos subordinados as autoridades centrais que não têm interesse em nós e não nos apoiam. Mesmo agora, quando estamos lutando contra o Daesh, o Iraque não nos presta nenhum apoio militar”, disse.

Hikmet sublinhou que o Daesh é um problema atual não somente para os curdos. É uma ameaça para todo o mundo, que todos devem enfrentar.


Postar um comentário