Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

EUA protestam contra interceptação ‘agressiva’ sobre o Mar Negro

Giordani | Cavok

Um RC-135U da Força Aérea dos foi interceptado por um Su-27 da Rússia sobre o Mar Negro. Durante a interceptação, o Su-27 realizou manobras agressivas, que “perturbou a controlabilidade” do RC-135.





O Su-27 chegou a menos de 6 m do avião de reconhecimento dos EUA em mais uma provocação militar de Moscou envolvendo perigosos encontros aéreos.

“Em 25 de janeiro uma aeronave RC-135 voando numa rota em espaço aéreo internacional sobre o Mar Negro foi interceptado por um Su-27 russo de forma insegura e pouco profissional“, disse o capitão da Marinha Daniel Hernandez, porta-voz-chefe do Comando Europeu dos EUA.

Autoridades da Defesa disseram que o Su-27 se posicionou ao lado do RC-135, uma aeronave de coleta de inteligência eletrônica, e, em seguida, realizou uma manobra agressiva ao manobrar para se afastar, claramente com a intenção de interferir na controlabilidade do RC-135.

“O impulso do Su-27 perturbou o fluxo de ar, atingindo diretamente a controlabilidade do RC-135”, disse um oficial.

Outro oficial relatou que o avião de reconhecimento estava voando a 30 milhas (48 km) da costa russa, dentro do espaço aéreo internacional.

O encontro do Mar Negro foi o último de uma série de agressivas atividades militares que visam coagir ou assediar navios e aviões militares dos EUA, tanto na Europa quanto na Ásia.

As provocações não estão limitadas a forças dos EUA. Na terça-feira (26), o Ministério da Defesa do Japão, revelou que enviou interceptadores para perseguir dois bombardeiros russos Tu-95 que voavam no extremo norte do Japão, na borda do espaço aéreo do país.

“Muito do que a Rússia está fazendo hoje é destinado à gerar medo do poder militar russo“, disse o ex-especialista do Pentágono sobre a Rússia, Mark Schneider.

“A Rússia também tende a ser paranóica a respeito de espionagem estrangeira e à proteção dos segredos de Estado“.



Postar um comentário