Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Lavrov : Rússia apresentou aos EUA 'plano absolutamente concreto' sobre a Síria

A Rússia propôs aos EUA um plano específico para a resolução da crise síria, informou o chanceler russo, Sergei Lavrov, em entrevista publicada nesta terça-feira (9) pelo jornal Moskovsky Komsomolets.


Sputnik


"Ao contrário daqueles que constantemente se limitam a exigir um cessar-fogo, incluindo nossos parceiros norte-americanos (…), nós [a Rússia] propusemos a Washington um esquema absolutamente concreto que eles [os norte-americanos] estão examinando”, disse o ministro das Relações Exteriores russo.
Segundo Lavrov, os EUA já começaram a perceber que a recusa à coordenação com a Rússia é contraproducente na luta contra o Daesh (autodenominado Estado Islâmico), que ambos os países consideram uma organização terrorista. 


Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, durante a entrevista coletiva em Moscou, 26 de janeiro de 2016
Sergei Lavrov © Sputnik/ Grigory Sysoyev

"Eles parecem estar aceitando que se recusar a cooperar é contraproducente. Mas ainda temos de alcançar resultados reais", observou o chanceler.

Segundo o ministro, a Rússia está recebendo pedidos de ajuda dos EUA para resolver os conflitos na Síria e na Ucrânia.

"Ninguém está nos ‘evitando’, nem quando se trata da Síria e da Ucrânia. Pelo contrário, a desesperança e tal retórica são acompanhadas por pedidos muito pragmáticos por nossa ajuda. Estamos prontos [para ajudar], mas vamos, é claro, ser guiados por princípios e acordos específicos sobre a paz na Ucrânia e na Síria", disse Lavrov.

No entanto, o chanceler russo ressaltou que a OTAN e uma série de países europeus continuam alimentando às raias da “histeria” o mito da ameaça russa.

"Os líderes da OTAN e uma série de países europeus, especialmente a Grã-Bretanha, os escandinavos, nossos vizinhos do Báltico, a Polônia, a Romênia e outros Estados, levam o mito sobre a ameaça russa ao nível da histeria", disse ele.

Além disso, Lavrov declarou ainda que Moscou está surpresa com o apoio incondicional que a Alemanha ofereceu à Turquia no que diz respeito à atuação do país na Síria.

"Quanto à Turquia, fomos surpreendidos pelo apoio incondicional a Ancara anunciado pela chanceler alemã, Angela Merkel, durante sua visita (à Turquia)", disse o ministro russo.

De acordo com ele, “toda a culpa pelo que está acontecendo [na Síria] foi posta sobre a Rússia porque seus ataques aéreos supostamente aumentam os fluxos migratórios”, mas “nada foi dito, ao menos em público, sobre fatos óbvios, tais como o de que a ameaça terrorista na Síria está sendo alimentada por contrabando através da fronteira turca em ambas as direções”.

Segundo o chefe da dilpomacia russa, entretanto, a remoção dos curdos das negociações sobre a resolução da crise na Síria demonstra uma posição arrogante da Turquia que não é compartilhada por ninguém.

"O fato de que eles [os curdos] são removidos das conversações sírias é uma posição tão excepcionalmente arrogante da Turquia que ninguém compartilha", disse Lavrov.


Postar um comentário