Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

Navio-patrulha oceânico francês L’Adroit visita o Rio de Janeiro

Poder Naval

O navio-patrulha oceânico (OPV) francês L’Adroit visitou o Rio de Janeiro, de 28 de janeiro a 2 de fevereiro de 2016. 


OPV GOWIND Adroit, 27 novembre 2011

Na segunda-feira houve uma coletiva de imprensa com o comandante do navio, o capitão de fragata Nicolas Guiraud e o Embaixador da França, Sr. Laurent Bili.

Fruto de uma colaboração inovadora, iniciada em 2011, entre a Marinha nacional francesa e a DCNS, o navio-patrulha oceânico L’Adroit, construído com capital próprio da DCNS, foi colocado à disposição da Marinha nacional francesa por um período inicial de três anos. O acordo entre a DCNS e a Marinha nacional francesa foi reconduzida por duas vezes por uma duração de 1 ano cada, levando ao final a disponibilização em proveito da Marinha para o dia 31 de julho de 2016.

O navio-patrulha oceânico L’Adroit tem capacidade de cumprir todas as missões de um navio-patrulha: vigilância marítima, proteção da ZEE, luta contra a imigração clandestina, policiamento da pesca, luta contra os tráficos ilícitos e contra a pirataria, emprego de forças especiais (locais específicos e alojamentos disponíveis para até 27 passageiros), remoção de nacionais.

O navio é inovador em numerosas áreas de atuação (sistema de lançamento na água das embarcações, convés 360°, mastro fixo único, tripulação reduzida (32 tripulantes).

Único navio da Marinha nacional francesa atualmente apto a operar o drone S-100 (Schiebel), o L’Adroit permitiu experimentar o SERVAL cujo objetivo era definir as características do futuro sistema de drone tático da Marinha nacional francesa e elaborar seu conceito de emprego.

Camcopter S-100 no LAdroit
Camcopter S-100 no L’Adroit

O L’Adroit navegou além do estreito de Malaca, no mar da Chinaou e no Golfo da Guiné. Totalizando 530 dias de missões, foi integrado na CTF150, na missão contra pirataria ATALANTA e ainda em missões de vigilância marítima e de policiamento de pesca no canal do Moçambique e no mar Mediterrâneo (missão Thon Rouge – Atum vermelho). Ao final de quatro anos de utilização pela Marinha nacional francesa, o navio está presente como “combat proven”, apresentando-se como vitrine da DCNS voltada para a exportação das corvetas do tipo “Gowind” para as quais contratos já foram efetivados com o Egito e em particular com a Malásia, após a visita do navio-patrulha.


Dimensões


Comprimento : 87 m
Boca: 11,7 m
Deslocamento: 1.500 toneladas
Calado: 3,2 m


Raio de ação


 Velocidade  Alcance  Autonomia
 Velocidade máxima  21 nós  4.500 milhas  9 dias
 Velocidade de patrulha  12 nós  7.500 milhas  27 dias
 Velocidade econômica  10 nós  9.200 milhas  39 dias

Área coberta em 24 horas com velocidade de patrulhamento: 8000 nq².

Meios de coleta de dados/informação: 

  • Radar de vigilância combinada ar/superfície: SCANTER 4102
  • Radar de vigilância superfície SCANTER 6002
  • Dois radares de navegação THEMYS
  • Guerra eletrônica THALES (interceptor rádio, possibilidade interceptor radar)
  • Vigilância ótica/infravermelha : EOMS NG e FLIR
  • Sistema de combate POLARIS / ligação de dados táticos (L11) / ADS-B / warship AIS
  • Capacidade de recepção de uma célula de reforço SIC (testada e validada em operações)
Meios de comunicação: 
  • Satélite : Inmarsat, Syracuse III
  • Acesso às redes IP : Internet, Intradef, Intraced (SIC 21)
  • Rádio : 1 V/UHF, 2 UHF, 2 HF, 2 VHF Marine, 1 VHF AERO, 1 PR4G, L11.
Meios de ação
  • Zodiac 90CV – 8 lugares
 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas