Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Presença de Daesh na Líbia é legado da OTAN

A tomada da cidade de Sirte por radicais islâmicos é um "resultado da intervenção da OTAN em 2011" na Líbia, disse à agência Sputnik, o jornalista e acadêmico líbio, Mustafa Fetouri.


Sputnik 


Estima-se que 4.000 combatentes do Daesh (Estado Islâmico) controlam este distrito no leste da Líbia, estrategicamente localizado na costa do Mediterrâneo e a poucos quilômetros da exploração de petróleo. 


Rebelde em frente à refinaria de petróleo, após captura pelas forças opositoras ao governo da cidade de Ras Lanouf, no Leste da Líbia
Rebelde em frente a refinaria de petróleo no leste da Líbia © AP Photo/ Hussein Malla

Fetouri chega a prever um novo ataque aéreo por parte do Ocidente para "proteger-se de uma ameaça tão próxima à Europa".

"Mas a intervenção não vai resolver nada", acrescenta.

"Não há nenhuma maneira de derrotar o Daesh com bombardeios em Sirte, eles não estabeleceram uma sede, campos de treinamento e depósitos de armas estão espalhadas entre a população local e as bombas matam civis", disse o analista em uma entrevista por telefone de Tripoli.

Muitos combatentes fugiram da Síria e, de acordo com o jornalista líbio, a maioria é composta por estrangeiros da Tunísia, Argélia, Mali, Chade e Níger.

O especialista acredita que as pessoas em Sirte, predominantemente os muçulmanos sunitas, poderia expulsar os islamitas de sua região, se "tiverem a confiança de que receberão proteção internacional".

Pelo contrário, como frisou, os líbios "se sentem abandonados" cinco anos após a revolta no país e os ataques aéreos subsequentes por parte do Reino Unido, França e Estados Unidos.

"Qualquer intervenção militar é errada e, no caso da Líbia, ocorreu sem conhecer bem o país e sem um plano para o dia após a ofensiva", observou o acadêmico.

Fetouri denunciou as "mentiras" que serviram de justificação humanitária para entrar no conflito da Líbia em 2011, quando o "principal objetivo era derrubar o Gaddafi".

Desde então, o país está fragmentado, com as milícias controlando o oeste em torno de Trípoli e extremistas do Daesh aumentam o seu poder em uma zona no leste, enquanto prosseguem as negociações da ONU para formar um governo estável de unidade nacional.



Postar um comentário