Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Frente Nusra bombardeia população em Hama e Latakia, na Síria

A Frente Nusra bombardeou a população e as tropas da Síria nas províncias de Hama e Latakia, informa o centro russo para reconciliação síria.


Sputnik

As localidades de Tell El malach e Suran, na província de Hama, foram bombardeadas por lançadores de foguetes múltiplos improvisados. Na província de Latakia, também houve ataques de morteiros contra posições das tropas do governo perto da localidade de Kbana, informou o centro russo para reconciliação síria. 


La ciudad de Murek, provincia de Hama, liberada por Ejército sirio
Cidade de Murek, província de Hama, Síria © Sputnik

“A organização terrorista Frente Nusra continua com as provocações armadas contra a população civil e as tropas governamentais nas províncias de Hama e Latakia”, diz o comunicado.

No dia 27 de fevereiro, entrou em vigor um cessar-fogo negociado por Rússia e Estados Unidos. Grupos terroristas como a Frente Nusra e o Daesh não aderiram ao acordo.



Postar um comentário