Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Frente Nusra bombardeia população em Hama e Latakia, na Síria

A Frente Nusra bombardeou a população e as tropas da Síria nas províncias de Hama e Latakia, informa o centro russo para reconciliação síria.


Sputnik

As localidades de Tell El malach e Suran, na província de Hama, foram bombardeadas por lançadores de foguetes múltiplos improvisados. Na província de Latakia, também houve ataques de morteiros contra posições das tropas do governo perto da localidade de Kbana, informou o centro russo para reconciliação síria. 


La ciudad de Murek, provincia de Hama, liberada por Ejército sirio
Cidade de Murek, província de Hama, Síria © Sputnik

“A organização terrorista Frente Nusra continua com as provocações armadas contra a população civil e as tropas governamentais nas províncias de Hama e Latakia”, diz o comunicado.

No dia 27 de fevereiro, entrou em vigor um cessar-fogo negociado por Rússia e Estados Unidos. Grupos terroristas como a Frente Nusra e o Daesh não aderiram ao acordo.



Postar um comentário