Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Navios do Comando do 3º Distrito Naval realizam ADESTREX I

Poder Naval

Em nota e fotos divulgadas na terça-feira, 5 de abril, a Marinha do Brasil informou sobre a Operação ADESTREX I, realizado por navios do Comando do 3º Distrito Naval. 


Adestrex I - NPa Macau P71 - exercício de reboque - foto MB
Adestrex I – NPa Macau P71 – exercício de reboque – foto MB

Segundo a nota, o litoral de Natal ficou movimentado em 30 de março, ocasião em que o Rebocador de Alto-Mar “Triunfo” e os Navios Patrulha “Macau”, “Goiana”, “Grajaú” e “Graúna”, subordinados ao Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Nordeste, realizaram a ADESTREX I, com o objetivo de propiciar oportunidade de adestramento em conjunto.

Os navios suspenderam em postos de combate e, pela passagem pelo porto de Natal, ocorreu um exercício de ameaças assimétricas, com a participação da Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte. Também foram realizadas navegação em baixa visibilidade, em canal varrido e astronômica, além de reboques, light line, manobras táticas e outros exercícios inopinados.

Ainda segundo a nota, a ADESTREX I foi acompanhada pelo Comandante do Grupamento de Patrulha Naval do Nordeste, Capitão de Fragata Sérgio Tadeu Leão Rosário.



Postar um comentário