Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

NUCLEP entrega a seção S3 do submarino SBR-2

Poder Naval

A Nuclep entregou hoje, dia 01 de abril, a segunda seção do SBR-2 à Itaguaí Construções Navais (ICN). Muitos funcionários se reuniram no Galpão Principal para participar da solenidade de entrega da S3. A previsão é que todo o casco resistente seja concluído e entregue até o final deste ano. 


S3 SBR-2

O Presidente da NUCLEP Jaime Cardoso, o Diretor Comercial Celso Cunha, o Diretor Industrial Liberal Zanellato e Diretor Industrial da ICN Carlos Adolfo estiveram na cerimônia. O presidente da NUCLEP falou sobre o papel estratégico da empresa no desenvolvimento do país e destacou a importância das obras dos submarinos para a empresa e para a indústria nacional.

— Um dos grandes trunfos que temos é o trabalho estratégico que é feito aqui na NUCLEP. Nós ao trabalharmos com esse tipo de obra, estratégica para o país, estamos ocupando aqui 70% do nosso espaço industrial. O governo nos dá essa missão e temos que estar preparados, a disposição da nação, e isso aqui é um ciclo disso — afirmou Jaime Cardoso.

O SBR-2 é o primeiro submarino com tecnologia francesa, integralmente, produzido no Brasil, visto que, o SBR-1 foi produzido parte na França e parte no Brasil.

Este submarino é do mesmo modelo do primeiro: classe Scorpene customizado para o Brasil e integra o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), que prevê ainda a construção de mais dois submarinos convencionais diesel-elétrico e, também, do futuro submarino brasileiro de propulsão nuclear.



Postar um comentário