Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Pentágono treina militantes islâmicos na Síria

O Pentágono admitiu que está treinando rebeldes sírios. O coronel do Exército americano Steve Warren disse a jornalistas na última sexta-feira que “dezenas de pessoas estão sendo treinadas”, sem revelar mais detalhes.


Sputnik


Entretanto, oficiais americanos disseram à Reuters, sob condição de anonimato, que o treinamento vem acontecendo na Turquia. 


Fuzileiros navais norte-americanos em al-Qaim, perto da fronteira síria, oeste do Iraque
Fuzileiros norte-americanos na fronteira entre Síria e Iraque © AFP 2016/ USMC

Os esforços mais recentes são uma recauchutada no programa multimilionário anterior do Pentágono, que tinha como objetivo treinar milhares de rebeldes sírios para combater os jihadistas do Daesh.

O plano inicial, contudo, terminou após um escândalo, quando foi revelado que apenas um punhado de rebeldes permaneceram após o treinamento. A Radio Sputnik debateu as revelações mais recentes com o analista de Oriente Médio e editor da revista Politics First, Marcus Papadopoulos.

“Desde o fim de 2011 e início de 2012, quando o ocidente realmente começou a intervir na Síria, o ocidente projetou o mundo essa ideia de que a América honrada está armando e treinando combatentes pela liberdade da Síria”, disse o analista.

“A realidade é que a América não é honrosa e as pessoas que os americanos vêm treinando nos últimos cinco anos na Síria não são combatentes pela liberdade, não são rebeldes. Eles são militantes. São militantes islâmicos. São terroristas. São as pessoas que vêm executando alguns dos crimes mais horríveis imagináveis não apenas contra sunitas na Síria, mas contra xiitas, judeus e cristãos.

Papadopoulos falou também sobre como os EUA têm um longo passado de parceria com islâmicos. Ele citou como exemplos o Afeganistão, a Bósnia e como os EUA mantinham contato com Osama bin Laden.

Sobre a Síria, o coronel Warren afirmou que os EUA não haviam aberto mão de seu objetivo de derrubar o governo de Bashar Assad. Os Estados Unidos também não pediram à Turquia que fechasse sua fronteira com a Síria, apesar de a Turquia ser uma grande aliada dos EUA.

“A estratégia americana na Síria é uma bagunça completa, é inteiramente caótica. Eles têm abertamente dito que seu objetivo é derrubar o Presidente Assad e o governo sírio. Isso, é claro, contradiz a carta da ONU e as leis internacionais, mas desde quando os americanos foram genuinamente comprometidos com a lei internacional e com a carta da ONU?”, indagou o analista.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas