Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Ato da OTAN no Báltico levanta dúvidas sobre postura em relação à Rússia

Dois anos após a reunificação da Crimeia com a Rússia, a OTAN se diz disposta a “reiniciar” relações com Moscou com o objetivo de evitar “incidentes perigosos” e para “manter uma chance de diálogo político.”


Sputnik


“Discutimos recentemente nossa relação com a Rússia, e concordamos em uma postura dupla: defesa e dissuasão e diálogo político”, disse o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, recentemente. 


Tropas da OTAN participam dos exercícios militares de 7 semanas em Drawsko Pomorskie, Polônia, 28 de abril de 2015
Tropas da OTAN na Polônia © AFP 2016/ JANEK SKARZYNSKI

Entretanto, os planos da OTAN de posicionar quatro batalhões militares nos países bálticos e na Polônia não foram vistos com muito entusiamo por Moscou, afirmou a revista alemã Der Spiegel.

“Para a Rússia, o fortalecimento militar no leste europeu é uma provocação. O Presidente Vladimir Putin não se cansará de culpar a OTAN por ‘agressão deliberada’ e não cumprir acordos com a Rússia, em meio à planejada presença militar nos países bálticos e na Polônia”, diz o artigo.

Em resposta às atividades da OTAN, Moscou anunciou a possibilidade de aumentar suas tropas nas fronteiras ocidentais. A Rússia vai levar em consideração a nova configuração das forças da OTAN e agir de acordo com os novos riscos de segurança consequentes da nova situação, disse o enviado russo para a OTAN, Alexander Grushko.

“É nesta situação tensa que um diálogo com Moscou vai acontecer”, diz a revista.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas