Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Ato da OTAN no Báltico levanta dúvidas sobre postura em relação à Rússia

Dois anos após a reunificação da Crimeia com a Rússia, a OTAN se diz disposta a “reiniciar” relações com Moscou com o objetivo de evitar “incidentes perigosos” e para “manter uma chance de diálogo político.”


Sputnik


“Discutimos recentemente nossa relação com a Rússia, e concordamos em uma postura dupla: defesa e dissuasão e diálogo político”, disse o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, recentemente. 


Tropas da OTAN participam dos exercícios militares de 7 semanas em Drawsko Pomorskie, Polônia, 28 de abril de 2015
Tropas da OTAN na Polônia © AFP 2016/ JANEK SKARZYNSKI

Entretanto, os planos da OTAN de posicionar quatro batalhões militares nos países bálticos e na Polônia não foram vistos com muito entusiamo por Moscou, afirmou a revista alemã Der Spiegel.

“Para a Rússia, o fortalecimento militar no leste europeu é uma provocação. O Presidente Vladimir Putin não se cansará de culpar a OTAN por ‘agressão deliberada’ e não cumprir acordos com a Rússia, em meio à planejada presença militar nos países bálticos e na Polônia”, diz o artigo.

Em resposta às atividades da OTAN, Moscou anunciou a possibilidade de aumentar suas tropas nas fronteiras ocidentais. A Rússia vai levar em consideração a nova configuração das forças da OTAN e agir de acordo com os novos riscos de segurança consequentes da nova situação, disse o enviado russo para a OTAN, Alexander Grushko.

“É nesta situação tensa que um diálogo com Moscou vai acontecer”, diz a revista.



Postar um comentário