Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Aos 101 anos, ex-combatente lembra participação na Revolução de 1932

Benedito Monteiro lutou nas trincheiras contra a ditadura Vargas.

Para ele, memória da luta é que mantém a honra de quem se foi.


Poliana Casemiro | G1 Vale do Paraíba e Região

Benedito Monteiro carrega uma memória valiosa. Ele é um dos poucos combatentes da Revolução de 1932 ainda vivos. Há 84 anos, ele estava nas trincheiras lutando contra a ditadura do então presidente Getúlio Vargas. Aos 101 anos, o morador de Cruzeiro, no Vale do Paraíba, se empenha em manter viva a memória do combate daquele 9 de julho.


Combatente de 32 (Foto: Tucandira Monteiro/ Arquivo Pessoal)
Benedito Monteiro participou da Revolução de 1932 (Foto: Tucandira Monteiro/ Arquivo Pessoal)

A Revolução Constitucionalista de 32 começou depois do golpe de Estado que colocou Getúlio Vargas na presidência. Os paulistas não o reconheciam e queriam uma constituinte, o que motivou o conflito. Foram três meses de conflito entre São Paulo e o resto do país.

Benedito tinha quatro meses de farda e menos de 18 anos quando foi chamado para o combate. Inexperiente, contou que à época a emoção de representar um ideal era o que o encorajava. “Nós lutávamos contra uma ditadura. Não sabia muita coisa ainda, mas eu me orgulhava do uniforme e da causa”, afirmou.

O militar viveu momentos de tensão nas trincheiras, viu muitos de seus amigos morrerem, mas se diz de consciência tranquila. “Acredito piamente que não matei ninguém nesse combate. Reconhecia a importância da causa, mas nada me fazia entender matar um amigo, outro brasileiro como eu. Colocava minha arma para cima e atirava para afugentar os inimigos, mas não matei ninguém”, garantiu.

Monteiro lutou em várias cidades do Estado, entre elas Cruzeiro. A cidade faz fronteira com Minas Gerais por um túnel ferroviário. Para evitar que as tropas inimigas invadissem São Paulo pelo local, a cidade foi palco de vários combates.

A historiadora Claudia Ribeiro, responsável pelo museu em memória da revolução, explica que a cidade perdeu cerca de 600 combatentes no local. “O túnel trouxe muitos militares para Cruzeiro para impedir invasão de tropas. O local foi palco de tiroteios e explosões. A história da cidade é marcada com o sangue derramado de uma causa legítima”, conta.

Além dos confrontos, foi em Cruzeiro que, depois de três meses de revolução, foi assinado o armistício que colocou fim ao conflito e o compromisso da constituinte.

Lendas


Benedito tinha menos de 18 anos quando foi chamado para o combate (Foto: Arquivo Pessoal/Benedito Monteiro)Na cidade, a revolução deixou, além dos fatos, lendas urbanas. Uma das histórias conta que do túnel é possível ouvir os brados de guerra e tiros dos combatentes. Nas paredes, quem toca os sulcos pode ouvir os gritos de socorro dos que perderam a vida no combate. “A revolução é parte da história da população local, são espaços e lendas urbanas fazem parte da cultura popular. Elas remontam a história da época até hoje”, disse Claudia.

Monteiro viu muitos combatentes morrerem e presenciou momentos de risco, mas acredita que ele e outros sobreviveram para não deixar essa história morrer.

“A revolução é triste por quem se foi, mas não podemos nos esquecer de onde ela nos levou. Não quero que essa memória morra, isso é o que mantém a honra de quem se foi”, diz. Benedito Monteiro é autor do livro ‘A farda e a partitura’, em que traz memórias da época.
  Benedito tinha menos de 18 anos quando foi
chamado para o combate
(Foto: Arquivo Pessoal/Benedito Monteiro) 

Postar um comentário