Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel concentra mais forças na fronteira com Faixa de Gaza e está pronto a agir

As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) concentraram mais forças na fronteira com a Faixa de Gaza e estão prontas para usá-las se for necessário, comunica a assessoria da entidade militar.
Sputnik

A decisão foi tomada no decurso da reunião no Estado-Maior e é uma resposta aos combates de ontem (11), que causaram morte de um militar israelense e sete palestinos.


"As IDF aumentaram suas forças no Distrito Sul e estão dispostas, se for preciso, a agir com mais vigor", destaca o comunicado da entidade.

No decurso da operação militar que teve lugar no enclave palestino neste domingo (11) um tenente coronel de uma unidade especial israelense foi morto. Ao mesmo tempo, a parte palestina perdeu sete homens, inclusive um comandante militar. Após os confrontos, os palestinos lançaram 17 mísseis contra o sul de Israel, dois deles foram interceptados pelos sistemas de defesa antiaérea Iron Dome (Cúpula de Ferro).

Foi igualmente informado que, tendo em conta a situação, o prim…

Dois terços das brigadas do exército dos EUA não estão prontos para a guerra

O exército norte-americano tem cada vez mais dificuldade de cumprir com a segurança do seu país, diz o The National Interest. 


Sputnik

O aniversário dos 241 anos do Exército dos EUA foi celebrado no dia 15 de junho – foram bastantes anos, durante os quais ele teve suficientes motivos para encher a nação de orgulho, não entanto, ultimamente ele não conta com a mesma glória, relata o artigo.


Base da Força Aérea dos Estados Unidos  Manas
Tropas norte-americanas © Sputnik/ Vladimir Pirogov

Os soldados norte-americanos são indispensáveis na Europa e continuam permanecendo no Afeganistão e no Iraque. Esse tipo de desafios de larga escala levou a sérios problemas com a prontidão para o combate — apenas um terço de todas as brigadas do Exército dos Estados Unidos estão prontos para o combate, disse o vice-chefe do Estado-maior, general Daniel Allyn, em seu discurso na The Heritage Foundation.

No entanto, os problemas do exército dos EUA com o atraso perante um potencial confronto não terminam aí. Desde o fim da Guerra Fria, o número de militares foi reduzido quase pela metade: de 770.000 a 481.000 em 2001, sem tomar em conta os planos do governo para dispensar 30 mil militares nos próximos anos.

A modernização das forças armadas estadunidenses se encontra parada devido aos cortes no orçamento.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas