Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Dois terços das brigadas do exército dos EUA não estão prontos para a guerra

O exército norte-americano tem cada vez mais dificuldade de cumprir com a segurança do seu país, diz o The National Interest. 


Sputnik

O aniversário dos 241 anos do Exército dos EUA foi celebrado no dia 15 de junho – foram bastantes anos, durante os quais ele teve suficientes motivos para encher a nação de orgulho, não entanto, ultimamente ele não conta com a mesma glória, relata o artigo.


Base da Força Aérea dos Estados Unidos  Manas
Tropas norte-americanas © Sputnik/ Vladimir Pirogov

Os soldados norte-americanos são indispensáveis na Europa e continuam permanecendo no Afeganistão e no Iraque. Esse tipo de desafios de larga escala levou a sérios problemas com a prontidão para o combate — apenas um terço de todas as brigadas do Exército dos Estados Unidos estão prontos para o combate, disse o vice-chefe do Estado-maior, general Daniel Allyn, em seu discurso na The Heritage Foundation.

No entanto, os problemas do exército dos EUA com o atraso perante um potencial confronto não terminam aí. Desde o fim da Guerra Fria, o número de militares foi reduzido quase pela metade: de 770.000 a 481.000 em 2001, sem tomar em conta os planos do governo para dispensar 30 mil militares nos próximos anos.

A modernização das forças armadas estadunidenses se encontra parada devido aos cortes no orçamento.



Postar um comentário