Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

EUA não têm navios que possam competir com cruzadores russos

Os Estados Unidos não conseguiram criar um navio de guerra que possa competir com os cruzadores nucleares do projeto Kirov, que têm capacidade de cumprir várias missões ao mesmo tempo e que estarão ao da Marinha russa ainda daqui a mais de uma década, escreve o The National Interest.


Sputnik

Os navios do projeto 1144 (Classe Kirov) são comparáveis em termos de seus gabaritos com os vasos dos tempos das Primeira e Segunda Guerras Mundiais. Os EUA e outros países se recusaram a produzir este tipo de navios devido ao seu algo custo e vulnerabilidade. No entanto, a União Soviética tomou a decisão de construir um cruzador pesado que combinasse as funções de vários navios simultaneamente, informa o The National Interest. 


Cruzador nuclear pesado russo Pyotr Veliky
Cruzador nuclear pesado russo Pyotr Veliky © Sputnik/ Vitaly Ankov

O resultado foi um navio que pode combater tanto navios de superfície como semi-submersíveis e submarinos. Ele pode ainda entrar em combate com porta-aviões e grupos de submarinos.

Os EUA, por seu lado, não possuem navios com estas capacidades, apenas os porta-aviões superam o tamanho dos Kirov. O surgimento dos cruzadores levaram os EUA a lançarem os navios de Classe Iowa. Mas as alterações destes navios foram bastante moderadas.

Depois da Guerra Fria e do colapso da URSS, um dos cruzadores da Classe 1144, Pyotr Veliky, continua ao serviço da Frota russa. O navio até participou de uma operação especial contra os piratas da Somália.


Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov
Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov © Sputnik/ Oleg Lastochkin

Em 2019, o Pyotr Veliky será reparado e modernizado e, em 2021, voltará a integrar a Marinha russa, que assim contará com dois cruzadores da Classe 1144. Atualmente estão sendo realizados trabalhos de modernização no navio Admiral Nakhimov, que terminarão em 2018. Os cruzadores modernizados receberão radares novos, equipamentos eletrônicos, bem como lançadores verticais de mísseis.

Os navios do projeto Kirov são plataformas impressionantes da frota russa. É muito provável que estes cruzadores sirvam a Rússia ainda mais de uma década, resume o autor.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas