Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

McCain diz que exército dos EUA vive lamentável descompasso com a modernização

O Exército dos EUA está significativamente atrasado na modernização de seus equipamentos militares, ainda que precise de novas capacidades para responder às crescentes ameaças, acredita o senador norte-americano John McCain.


Sputnik

Ao participar de uma audiência do Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA para avaliar a nomeação do próximo secretário do Exército dos EUA, McCain destacou que o Exército do país foi “essencialmente organizado e equipado como o era nos anos 1980”. 


Senador John McCain

“Enquanto isso, o Exército está lamentavelmente atrasado com a modernização. O Exército precisa ser modernizado para as duras realidades da guerra do século 21” – declarou o senador.

Ele observou que as principais forças do Exército norte-americano, incluindo artilharia, tropas blindadas e engenheiros, foram reduzidas para níveis que estão a comprometer a sua "capacidade de promover campanhas militares de qualidade”.

Em novembro de 2015 o presidente dos EUA Barack Obama assinou o orçamento de defesa para 2016 aprovado pelo Congresso. O novo orçamento, de mais de 607 bilhões de dólares, manteve as principais características do orçamento anterior, que havia sido vetado por Obama. Em particular, o documento prorroga a proibição à prisão de suspeitos estrangeiros de terrorismo no presídio de Guantánamo, em Cuba.

Além disso, o orçamento prevê gastos com ajuda militar à Ucrânia no valor de 300 milhões de dólares, caso a mesma seja considerada necessária pela administração presidencial do país.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas