Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

EUA se recusam a comentar transferência de armas da Turquia para Romênia

O Departamento de Estado e o Pentágono se recusaram a comentar sobre a suposta transferência de munições nucleares da Turquia para a base da Romania de Deveselu.


Sputnik

O porta-voz do Petntágono, Adam Stump, disse que "de acordo com a política dos Estados Unidos, não pode confirmar ou negar a presença ou ausência de armas nucleares em qualquer lugar".


Avião dos EUA na base aérea em Incirlik, na Turquia
C-17 dos EUA na base militar de Incirlik © AP Photo/ Vadim Ghirda

Anteriormente, o jornal on-line belga EurActiv publicou, citando fontes, que os EUA começaram a deslocar munições nucleares da Turquia para a base Deveselu na Romênia, por conta da deterioração das relações entre Washington e Ancara.

Segundo dados não confirmados, na base aérea Incirlik, na Turquia, que fica a cerca de 100 quilômetros da fronteira com a Síria, estão implantadas cerca de 50 unidades de armas nucleares táticas dos EUA desde a Guerra Fria.

Durante o fracassado golpe militar na Turquia, autoridades prenderam o comandante da base por implicação na tentativa do golpe e proibiu voos de aviões norte-americanos da base em direção a Incirlik.

Segundo a fonte do EurActiv, após o golpe de estado as relações entre EUA e Turquia deterioraram de tal maneira que Washington não confia mais na Turquia para o depósito de armas nucleares.


Postar um comentário