Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Sabotagem ucraniana na Crimeia: detalhes

Nas recentes tentativas de levar a cabo atos de sabotagem na Crimeia, na noite de 7 de agosto, foram mortos dois militares russos. O jornal russo Kommersant relata detalhes da investigação.


Sputnik

O jornal diz que, um dia antes, o FSB russo recebeu informação operacional sobre um grupo subversivo ucraniano que tentaria violar a fronteira. Os oficiais russos se dirigiram em direção ao local, no norte da Crimeia, na fronteira desta com a Ucrânia. 


Barras de dinamite, artefatos explosivos artesanais e granadas encontados durante a detenção de agentes ucranianos que planejavam organizar atentados na Crimeia (Imagem de vídeo do FSB russo)
Artefatos apreendidos com ucranianos presos na Crimeia © Sputnik/ Centro de Relações Públicas do FSB da Rússia

O chefe da unidade do FSB, tenente-coronel Kamenev, ordenou que os sabotadores depusessem as armas, mas eles responderam com fogo de metralhadora, ferindo fatalmente o oficial russo. As forças de segurança entraram em confronto e mataram dois criminosos. Os três sobreviventes foram detidos e acusados de violar as fronteiras nacionais russas, combater com as forças da segurança, assassinato e organização de atentados terroristas na península.

Um outro agente, Simon Sychev, foi morto durante um confronto com um segundo grupo na fronteira, em uma área pantanosa no golfo de Siwash. O policial foi ferido com três balas – uma delas quebrou a coronha do seu AK, outra o feriu no ombro, e a terceira foi letal: entrou no pescoço e perfurou seu pulmão. O agente morreu em uma ambulância.

De acordo com o Kommersant, o tenente-coronel Kamenev foi recomendado para condecoração com a insígnia Herói da Rússia postumamente; Sychev foi recomendado para a Ordem da Coragem.

Uma fonte nos serviços de segurança russos disse à RIA Novosti que o organizador da sabotagem foi o chefe de inteligência do 37.º batalhão ucraniano, o capitão da 56.ª Brigada Vladimir Serdyuk. Mais tarde, ele confirmou que prestou serviço no batalhão, mas em outra posição.

Durante os interrogatórios, os detidos admitiram que os alvos de ataque seriam, em particular, o aeroporto e a estação de ônibus em Simferopol.

O líder russo Vladimir Putin chamou essa tentativa de sabotagem um "estúpido ato criminoso" e salientou que, numa situação dessas, não faz sentido a realização de reuniões no formato do Quarteto da Normandia.


Postar um comentário