Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

'Ações dos EUA levam à desvalorização do Conselho de Segurança da ONU'

As ações de Washington no Conselho de Segurança da ONU abrem o caminho para uma desvalorização deste órgão, disse a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova em entrevista ao site Rossiya-Gretsia 2016 (Rússia-Grécia 2016). 


Sputnik

"O que agora os norte-americanos estão fazendo é um caminho direto para a desvalorização do papel do Conselho de Segurança como o órgão supremo que implementa o direito internacional. Não passa de um show aquilo que foi organizado em ligação ao ataque contra o comboio humanitário, sem quaisquer provas", disse a diplomata.


Reunião do Conselho de Segurança da ONU
Conselho de Segurança da ONU © AP Photo/ Pablo Martinez Monsivais


Na noite para 20 de setembro uma coluna do Crescente Vermelho Sírio Árabe e de organizações humanitárias da ONU foi bombardeada a noroeste de Aleppo. O comboio era composto de 31 caminhões que transportavam ajuda, destinada a 78 mil pessoas. Segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, 18 caminhões foram destruídos, morreram um funcionário da organização e cerca de 20 civis.

"O que gostei mais foi a declaração no Conselho de Segurança – primeiramente, de que a culpa era da Rússia e depois 'Não temos provas, mas pensamos que a Rússia é culpada'. No dia seguinte os militares norte-americanos disseram: 'Não temos informações, mas sabemos que isso foi obra ou da Rússia ou da Síria'", afirmou a representante da chancelaria russa. 


Maria Zakharova sublinhou que 'nos tornamos testemunhas de tais coisas absolutamente inaceitáveis'.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas