Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Kim Jong-un: Após 'declaração de guerra feroz', Trump e os EUA pagarão caro

Em um raro pronunciamento, o líder norte-coreano Kim Jong-un disse nesta sexta-feira (horário local) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu povo "pagarão caro"pelas “palavras excêntricas” que pregaram a destruição da Coreia do Norte.
Sputnik

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, Trump afirmou que os EUA estão prontos para a "destruição total" da Coreia do Norte, caso isso se faça necessário.


Além disso, o presidente estadunidense chamou Kim de "Homem Foguete", pelo que considera uma "tática suicida" de provocações contra Washington e o resto dos seus aliados na Ásia.

"Agora estou pensando muito sobre a resposta que ele poderia ter esperado quando ele se permitiu que palavras tão excêntricas tropeçassem da sua língua", disse Kim, em declarações reproduzidas pela Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA).

"Qualquer coisa que Trump possa ter esperado, ele enfrentará resultados além de suas expectativas. Eu vou, …

'Ações dos EUA levam à desvalorização do Conselho de Segurança da ONU'

As ações de Washington no Conselho de Segurança da ONU abrem o caminho para uma desvalorização deste órgão, disse a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova em entrevista ao site Rossiya-Gretsia 2016 (Rússia-Grécia 2016). 


Sputnik

"O que agora os norte-americanos estão fazendo é um caminho direto para a desvalorização do papel do Conselho de Segurança como o órgão supremo que implementa o direito internacional. Não passa de um show aquilo que foi organizado em ligação ao ataque contra o comboio humanitário, sem quaisquer provas", disse a diplomata.


Reunião do Conselho de Segurança da ONU
Conselho de Segurança da ONU © AP Photo/ Pablo Martinez Monsivais


Na noite para 20 de setembro uma coluna do Crescente Vermelho Sírio Árabe e de organizações humanitárias da ONU foi bombardeada a noroeste de Aleppo. O comboio era composto de 31 caminhões que transportavam ajuda, destinada a 78 mil pessoas. Segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, 18 caminhões foram destruídos, morreram um funcionário da organização e cerca de 20 civis.

"O que gostei mais foi a declaração no Conselho de Segurança – primeiramente, de que a culpa era da Rússia e depois 'Não temos provas, mas pensamos que a Rússia é culpada'. No dia seguinte os militares norte-americanos disseram: 'Não temos informações, mas sabemos que isso foi obra ou da Rússia ou da Síria'", afirmou a representante da chancelaria russa. 


Maria Zakharova sublinhou que 'nos tornamos testemunhas de tais coisas absolutamente inaceitáveis'.

Postar um comentário