Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministério das Relações Exteriores russo acusa EUA de ajudar terroristas na Síria

Ao reforçar seu interesse em liquidar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia] da face da Terra, Moscou se mostrou preocupada com o fato de os EUA demonstrarem o contrário através de suas ações, ressalta Sergei Ryabkov, vice-ministro do ministério.
Sputnik

"Apesar de tudo, alguns objetivos políticos e geopolíticos são mais importantes para Washington, o que está declarado no plano de lealdade à luta antiterrorista", disse Ryabkov a jornalistas. Segundo ele, a Rússia espera que Washington prove na prática a sua lealdade à luta contra o terrorismo na Síria.


Além disso, o diplomata chamou a morte do tenente-general Valery Asapov de preço pago pela Rússia pela hipocrisia dos EUA na questão da resolução da crise síria. Asapov, que chefiava o grupo dos conselheiros militares russos, morreu na região de Deir ez-Zor durante bombardeio do Daesh.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou fotos aéreas dos bairros a norte de Deir ez-Zor controlados pelos terroristas d…

Assad: Ataques da coalizão dos EUA contra exército sírio é agressão que serve ao Daesh

No sábado a coalizão anti-Daesh atacou posições do Exército sírio, matando 62 e ferindo cerca de 100 pessoas. 


Sputnik

"O presidente Assad ressaltou que as partes que são hostis à Síria estão esgotando todas suas energias e recursos para manter a guerra terrorista na Síria, observando que, sempre que o Exército governamental sírio alcança progressos tangíveis, o estado que é hostil à Síria aumenta seu apoio às organizações terroristas, e o exemplo mais recente disso é a flagrante agressão dos EUA contra a posição do Exército sírio em Deir ez-Zor para benefício do Daesh", informou na segunda-feira(19) a agência de notícias síria Sana. 


Presidente sírio, Bashar Assad fala durante uma entrevista com o canal de notícias SBS da Austrália, em Damasco, Síria. 01 de julho, 2016
Bashar al-Assad, Presidente da Síria © AP Photo/ SANA


Austrália, Dinamarca e Reino Unido confirmaram sua participação nos ataques em Deir ez-Zor.

Os aviões da coalizão anti-Daesh, no sábado, efetuaram quatro ataques contra as tropas sírias, que estavam cercadas por terroristas do Daesh (banido na Rússia), perto de Deir ez-Zor, matando 62 soldados e ferindo cerca de 100. O Pentágono expressou o seu "pesar" e disse que o alvo eram terroristas e não as forças sírias.

Após o incidente, começaram a aparecer apelos às autoridades dos EUA para estas justificarem os ataques a soldados que lutam contra o Daesh, ação que se tornou muito útil para os terroristas. Esta situação poderá aumentar as tensões e no futuro levar ao fracasso de uma solução diplomática, notam especialistas.



Postar um comentário