Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vários mortos no confronto entres as forças de Maduro e rebeldes armados

Desfecho sangrento aconteceu durante a operação de captura de Óscar Pérez, que está entre os mortos.O piloto sobrevoou prédios do governo com um helicóptero roubado da polícia em junho do ano passado
Maolis Castro e Florantonia Singer | El País

Vários integrantes do grupo liderado pelo ex-policial Óscar Pérez morreram em um confronto com um coletivo – civis armados chavistas – e um comando da Força de Ações Especiais da Polícia Nacional, em que também morreram dois agentes e um militante chavista. Outros cinco membros do grupo foram presos em uma casa na região de El Junquito, no oeste de Caracas. 

O Governo venezuelano confirmou no início desta tarde que o próprio Pérez está entre os mortos. Seu nome se tornou conhecido em junho, quando roubou um helicóptero da polícia e sobrevoou a sede do Supremo Tribunal de Justiça e do Ministério do Interior. Nunca, em 18 anos de chavismo, ocorreu algo parecido na Venezuela.


O ex-inspetor do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalística…

Assad: Ataques da coalizão dos EUA contra exército sírio é agressão que serve ao Daesh

No sábado a coalizão anti-Daesh atacou posições do Exército sírio, matando 62 e ferindo cerca de 100 pessoas. 


Sputnik

"O presidente Assad ressaltou que as partes que são hostis à Síria estão esgotando todas suas energias e recursos para manter a guerra terrorista na Síria, observando que, sempre que o Exército governamental sírio alcança progressos tangíveis, o estado que é hostil à Síria aumenta seu apoio às organizações terroristas, e o exemplo mais recente disso é a flagrante agressão dos EUA contra a posição do Exército sírio em Deir ez-Zor para benefício do Daesh", informou na segunda-feira(19) a agência de notícias síria Sana. 


Presidente sírio, Bashar Assad fala durante uma entrevista com o canal de notícias SBS da Austrália, em Damasco, Síria. 01 de julho, 2016
Bashar al-Assad, Presidente da Síria © AP Photo/ SANA


Austrália, Dinamarca e Reino Unido confirmaram sua participação nos ataques em Deir ez-Zor.

Os aviões da coalizão anti-Daesh, no sábado, efetuaram quatro ataques contra as tropas sírias, que estavam cercadas por terroristas do Daesh (banido na Rússia), perto de Deir ez-Zor, matando 62 soldados e ferindo cerca de 100. O Pentágono expressou o seu "pesar" e disse que o alvo eram terroristas e não as forças sírias.

Após o incidente, começaram a aparecer apelos às autoridades dos EUA para estas justificarem os ataques a soldados que lutam contra o Daesh, ação que se tornou muito útil para os terroristas. Esta situação poderá aumentar as tensões e no futuro levar ao fracasso de uma solução diplomática, notam especialistas.



Postar um comentário