Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Rússia: EUA provocaram combates em Idlib para impedir o avanço sírio em Deir ez-Zor

Os militantes da Frente al-Nusta iniciaram uma ampla ofensiva contra as posições das tropas sírias ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib, informou o ministério da Defesa da Rússia nesta quarta-feira.
Sputnik

Segundo o ministério russo, a ofensiva terrorista foi uma manobra dos serviços de inteligência dos EUA para impedir o avanço das tropas sírias em Deir ez-Zor.


Os militantes da Frente al-Nusta iniciaram uma ampla ofensiva contra as posições das tropas sírias ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib.

"Apesar dos acordos assinados no dia 15 de setembro em Astana, os combatentes da Frente al-Nusra e seus aliados, que se negaram a cumprir as condições do regime de cessar-fogo, iniciaram uma ampla ofensiva contra as tropas governamentais, a partir das 8hs da manhã do dia 19 de setembro, ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib", informa o comunicado.

Durante o dia, os terroristas conseguira…

Damasco: Presença de tropas turcas na Síria é 'agressão aberta'

Durante a sua intervenção na Assembleia Geral da ONU, o chanceler sírio, Walid Muallem, afirmou que a Turquia deve retirar suas tropas do território sírio.


Sputnik


Ele reiterou o compromisso da Síria em respeito ás negociações em Genebra sobre a resolução do conflito. "Confirmamos nossas obrigações de seguir com o processo de Genebra", disse Muallem. 


Ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid Muallem, na Assembleia Geral da ONU
Ministro das Relações Exteriores da Síria Walid Muallem © AFP 2016/ Timothy A. Clary

"A Síria mantêm uma postura construtiva a respeito da solução política e apela para que decisões eventuais respeitem a soberania, independência e integridade territorial da Síria, assim como a unidade do seu povo", disse o chanceler. 


Damasco também condenou a presença das tropas turcas em território sírio, argumentando que trata-se de uma 'agressão aberta'. "Ancara deve retirar as suas forças", frisou o ministro das Relações Exteriores da Síria.


Postar um comentário