Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

National Interest: EUA acusam Rússia daquilo que eles próprios praticam

Os Estados Unidos acusam a Rússia e outros países de fazerem provocações, mas são as ações deles que podem ser consideradas provocatórias, escreve The National Interest. 


Sputnik

O autor do artigo, Ted Galen Carpenter, destaca o caráter contraditório da situação em que o exército dos EUA age longe do seu território, mas disso são acusados os países que estão atuando na zona de interesse deles. 


Navio da Marinha norte-americana no mar da China Meridional
Navio da US Navy no Mar da China Meridional © REUTERS/ Romeo Ranoco


"Isto é um tema que abordamos com demasiada frequência: a noção que as operações militares dos EUA no palco mundial não só são aceitáveis, como não podem ser sujeitas a quaisquer questionamentos ou críticas", escreveu ele para NI.

Como exemplos ele usa a situação da Rússia na Síria e nos Países Bálticos, do Irã no golfo Pérsico e da China no mar do Sul da China.

Em particular, Washington e a mídia acusam Moscou de intervenção militar no conflito na Síria, apesar do fato de a intervenção dos mesmos EUA ser considerada uma coisa normal, ou até mesmo inevitável.


"Os americanos consideram a intervenção da Rússia ao conflito uma coisa escandalosa, tendo em conta que a Síria fica a menos de mil quilômetros da fronteira sul da Rússia e também que a família governante de Assad é ‘um cliente político’ de Moscou já há muito tempo", esclarece Carpenter.

Na região do Báltico, os EUA seguem os mesmos padrões duplos. Washington tem frequentemente acusado a Rússia por ameaçar seus navios, mas as autoridades americanas não percebem que Moscou tem razões para considerar ameaçadora a presença dos americanos perto de sua fronteira, se lê no artigo.

O mesmo se passa no mar do Sul da China – Washington age à distância de vários milhares de quilômetros da sua fronteira. No golfo Pérsico, em agosto teve lugar uma aproximação perigosa entre navios dos EUA e do Irã, quando uma lancha de patrulha iraniana escoltou um contratorpedeiro americano. 


A Casa Branca chamou imediatamente este incidente de "provocação monstruosa". 

“Ninguém duvidou que fosse uma provocação por parte dos EUA – enviar um contratorpedeiro pesado a uma distância de 6 mil milhas do seu território, mas apenas a algumas milhas da costa do Irã”, assinala o autor. 

Segundo o autor, os EUA devem perceber que os outros países não se vão submeter a essas ações. Ele concluiu que tais ações são "medíocres e perigosas".

Postar um comentário

Postagens mais visitadas