Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

O impacto de tecnologias emergentes no futuro dos submarinos nucleares

Poder Naval

No dia 13 de setembro, o BASIC (British American Security Information Council), British Pugwash e a Universidade de Leicester organizaram uma conferência no National Liberal Club, Londres, sobre tecnologias submarinas emergentes e como elas podem afetar a operação de submarinos de mísseis balísticos (SSBN). Especialistas de ciência e tecnologia, a comunidade de defesa e segurança, “think tanks”, sociedade civil e meios de comunicação foram todos convidados a contribuir para discussões sobre como os últimos avanços na detecção acústica e não-acústica e tecnologias de veículos submarinos não tripulados (Underwater Unmanned Vehicles) poderiam afetar as estratégias de dissuasão baseadas no mar. 


Concepção do SSBN Successor
Concepção do SSBN Successor

A conferência terminou sem um consenso claro sobre as questões, embora algumas tendências começaram a se cristalizar. Além disso, enquanto o interesse do BASIC em tecnologias submarinas emergentes inicialmente criou raízes em torno da ideia de que elas podem representar um perigo potente para (ou até mesmo tornar obsoleto) o novo programa de SSBN “Successor”, que o Parlamento recentemente votou para substituir a classe “Vanguard”, o engajamento com as questões em jogo lançou novos caminhos para a pesquisa.

Este resultado foi antecipado: a conferência foi concebida como um espaço interdisciplinar e plural, em que uma questão que raramente é discutida publicamente poderia ser seriamente e devidamente interrogada. Como a tecnologia avança a um ritmo vertiginoso, esta conferência e as ideias que nela surgiram devem ser consideradas não como o fim da questão, mas o início de um novo curso de envolvimento do público com a vulnerabilidade dos SSBN. Que as tecnologias submarinas emergentes sejam capazes de desenhar tal interesse e atenção em uma conferência no Reino Unido deve servir também para provar que as discussões semelhantes em outros Estados com armas nucleares seriam proveitosas e enriquecedoras.

Um documento final completo estará disponível nas próximas semanas e, portanto, este post não detalha os vários argumentos e tecnologias apresentados. Ele vai reunir alguns pensamentos em apenas dois argumentos: que as tecnologias emergentes afetarão o programa de SSBN “Successor”, e que elas irão afetar a estabilidade estratégica.

Vulnerabilidade da classe Successor

A maioria dos membros do painel parecia convencida de que as tecnologias submarinas emergentes seriam um fator decisivo para o programa “Successor”, e alguns expressaram que mesmo se tecnologias altamente autônomas e altamente sensíveis sejam desenvolvidas, os SSBNs permanecem como as plataformas de as armas nucleares mais seguras. A classe “Successor” estará entre os submarinos mais difíceis de detectar, exibindo tecnologias furtivas excepcionais e liderados por comandantes treinados no Reino Unido no programa “Perisher”, considerado o melhor do mundo. Por outro lado, a Rússia tem demonstrado capacidades limitadas em tecnologias de veículos não tripulados, e enquanto a China tem exibido maiores capacidades, seus esforços têm se concentrado principalmente em defesa das águas costeiras.

No entanto, há um consenso geral de que as tecnologias submarinas emergentes têm o potencial de ser extremamente perturbadoras e devem ser cuidadosamente monitoradas, tanto por parte do governo quanto da sociedade civil. A descoberta de um submarino russo em águas perto de Faslane no ano passado demonstra que, mesmo atualmente, a única base de SSBN da Grã-Bretanha pode estar em risco; veículos não tripulados bem menores seriam certamente muito menos detectáveis. As ansiedades profundas sobre a vulnerabilidade dos SSBN às tecnologias emergentes nas últimas duas décadas da Guerra Fria demonstra que os conceitos de “invulnerabilidade” e “invisibilidade” dos SSBN foi socialmente construída nos últimos 30 anos, como um dispositivo político destinado a vender armas nucleares para o público britânico. Estes conceitos são psiquicamente confortantes, acreditando-se ou não que as armas nucleares têm relevância.

Altos níveis de confidencialidade e a inacessibilidade do material técnico, torna mais difícil para a sociedade civil monitorar a vulnerabilidade dos SSBN. No entanto, especialistas na criação de armas nucleares na conferência deixaram claro que a invulnerabilidade dos SSBN geralmente não é um dado adquirido, mas tidos em conta em um cálculo mais amplo de gestão de riscos. Da mesma forma, as forças armadas e empresas de armamento estão perpetuamente empenhadas em desenvolver formas inovadoras para preservar a discrição, detectar adversários ou neutralizar a detecção. O discurso público no meio acadêmico e os meios de comunicação devem refletir isso, com uma mudança de paradigma no pensamento que alterna a suposição de da “invulnerabilidade” dos SSBN para “potencial vulnerabilidade”.

Implicações de tecnologias submarinas emergentes na estabilidade estratégica


Tecnologias submarinas emergentes, também podem representar perigos quando usadas “por nós”. Os EUA lideram em tecnologias submarinas, cujos benefícios serão sentidos por outros Estados da OTAN; o Reino Unido, por exemplo, provavelmente vai ser capaz de importar muitas tecnologias norte-americanas por uma pechincha, como fez anteriormente. Uma abordagem alternativa, portanto, é questionar como os Estados como a Rússia poderiam se sentir ameaçados por implementações dessas tecnologias pela OTAN, e como eles podem afetar a estabilidade estratégica. 


Sistemas Marítimos não tripulados dos EUA
Sistemas Marítimos não tripulados dos EUA

As tensões políticas seriam susceptíveis de aumento se as plataformas autônomas de rastreamento forem produzidas em grande número para rastrear os SSBNs russos, particularmente no contexto de outras tecnologias que a Rússia percebe que danificam sua paridade estratégica que garante o potencial de um segundo ataque, tais como os sistemas de defesa antimísseis da OTAN na Europa Oriental. O crescimento da popularidade da doutrina de “superioridade estratégica” em Washington oferece pouco conforto de que essas tecnologias terão implementações exclusivamente defensivas.

Tensões semelhantes podem surgir a partir de desdobramentos dos EUA no Oceano Pacífico afetando a China; desdobramentos chineses no Mar do Sul da China afetando países vizinhos e os EUA; desdobramentos chineses no Oceano Índico afetando a Índia; desdobramentos indianos no Oceano Índico afetando o Paquistão; e desdobramentos japoneses ou sul-coreanos no Mar do Japão, afetando a Coreia do Norte. Avaliar as capacidades técnicas destes Estados, e como essas situações poderiam evoluir, oferecem uma riqueza potencial de investigação.

Conclusões

O BASIC vai continuar a alimentar um debate saudável sobre a vulnerabilidade em relação às tecnologias submarinas emergentes à classe “Successor” do Reino Unido e buscar inspirar conversas semelhantes sobre os SSBN(X) dos EUA, e o futuro substituto do “Triomphant” francês, e SSBNs de outros Estados. Mesmo que essas tecnologias não mudem o jogo de uma forma óbvia nas próximas duas décadas, o ritmo da mudança tecnológica, a presente proliferação dessas tecnologias na esfera civil em todo o mundo (que poderiam facilmente encontrar aplicações militares), e a diminuição custos de produção certamente vai justificar séria vigilância e investigação.

Espera-se que os participantes que vieram com opiniões sólidas sobre a invulnerabilidade dos SSBN, tenham saído com uma avaliação mais realista e cheia de nuances dos riscos e um sentimento positivo sobre o envolvimento dos cidadãos, e que outros reconheçam as preocupações sobre a vulnerabilidade com base em provas. O tipo de cooperação e engajamento exibido na conferência entre o Estado e o público, com um tema predominantemente discutido a portas fechadas, oferece oportunidades para melhorar e democratizar a tomada de decisões sobre a política de segurança. Como o discurso se desenvolve, ele vai ser importante para aprofundar a totalidade das “tecnologias submarinas emergentes”, e concentrar-se não apenas sobre a tecnologia em si, mas também nos padrões de emprego, contramedidas e comportamentos estatais.

FONTE: British American Security Information Council / Tradução e adaptação do Poder Naval
 

Postar um comentário