Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

'Participação russa da luta contra terrorismo na Síria evitou desintegração do país'

O envolvimento russo na luta contra o terrorismo na Síria evitou a desintegração do país e consolidou o poder legítimo, disse o representante oficial do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Bahram Qasemi. 


Sputnik

"O envolvimento da Rússia na crise síria e a sua participação da luta contra o terrorismo neste país evitaram a desintegração do país e permitiram defender a integridades do seu território, consolidar o poder legítimo neste país e, além disso, este envolvimento ajudou a recuperar o equilíbrio que caracterizava a região no passado", disse Qasemi à agência RIA Novosti.


Aviões de assalto russos Su-25 no céu da Síria, base aérea de Hmeymim, Síria
Sukhoi Su-25 © Sputnik/ Dmitry Vinogradov


Os confrontos armados na Síria continuam desde março de 2011. Como resultado, segundo os dados da ONU, mais 220 mil pessoas já se tornaram vítimas do conflito. Desde 30 de setembro de 2015 sob o pedido do presidente sírio Bashar Assad a Rússia iniciou realizar ataques aéreos contra posições terroristas na Síria.

Com o apoio russo Damasco conseguiu alterar a situação na frente e lançar ofensiva em direções-chave. Desde setembro de 2015 até março de 2016 a aviação russa realizou mais de 9 mil missões. 


Em março, o presidente russo Vladimir Putin tomou a decisão de retirar a maior parte das forças russas depois de terem completado suas missões na Síria. Ao mesmo tempo, a Rússia não abandonou as suas obrigações de fornecer ao governo sírio armas, equipamento militar e treinar especialistas militares. A base área de Hmeymim, bem como as instalações navais do porto de Tartus, continuam operacionais, enquanto os sistemas de defesa antiaérea protegem os militares russos na Síria, um país que continua mergulhado na guerra.


Postar um comentário