Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Pentágono considera normal intercepção de aviões-espiões norte-americanos pela Rússia

Na cúpula de segurança em Washington, o chefe da Agência de Inteligência de Defesa norte-americana Vincent Stewart se referiu ao recente incidente entre um caça russo e outros estadunidenses como uma ocorrência normal. 


Sputnik

Vincent Stewart notou que o incidente no mar Negro com aviões militares dos EUA foi um ato normal de concorrência entre as duas superpotências – os EUA e a Rússia. 


Avião norte-americano de reconhecimento P-8 Poseidon
Boeing P-8 Poseidon © AFP 2016/ GREG WOOD


"Os Estados Unidos e a Rússia de vez em quando colidem em diferentes regiões do mundo onde seus interesses se cruzam, isso é normal e não excepcional", disse o chefe da Agência de Inteligência de Defesa.

Mais cedo, o porta-voz do Ministério da Defesa russo Igor Konashenkov confirmou a intercepção de aviões de reconhecimento norte-americanos sobre o mar Negro. Vários caças Su-27 decolaram do aeródromo de Belbek na Crimeia para evitar a aproximação dos aviões norte-americanos da fronteira russa.

De acordo com o Pentágono, o caça russo se aproximou de um P-8 Poseidon americano até três metros. Segundo o Ministério da Defesa russo, não foi a primeira tentativa dos americanos para se aproximarem da fronteira russa na área dos exercícios militares Kavkaz 2016. 


"Após a intercepção, os aviões dos EUA, que voavam com os transponders desligados, viraram para trás imediatamente", relatam em Moscou.


Postar um comentário