Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Rebeldes sírios se juntam à Frente al-Nusra para ofensiva

De acordo com o Estado-Maior general da Rússia, os rebeldes sírios se juntaram à Frente al-Nusra para ofensiva. 


Sputnik

A declaração foi feita nesta segunda-feira (19), um dia e meio depois do ataque da coalizão liderada pelos EUA contra o exército sírio, quando este estava combatendo o grupo terrorista Daesh. Como resultado do ataque, as forças terroristas tiveram acesso a uma posição estratégica. 


Um bairro de Damasco ocupado pela Frente al-Nusra
Damasco, capital da Síria © Sputnik/ Ilya Pitalev


Se aquele caso já indicava que a parte americana podia estar deixando de cumprir as condições da trégua acordada com a Rússia, o caso de hoje já significa que as únicas partes que cumprem o cessar-fogo são as forças da Rússia e da Síria, disse o tenente-general Vladimir Savchenko. 

Ele precisou que nem os Estados Unidos, nem os rebeldes "moderados" por eles controlados não cumpriram "uma só obrigação correspondente ao acordo russo-americano".

Citando informações do Centro de Reconciliação russo, ele disse que a oposição militarizada "usou o cessar-fogo para se reagrupar, conseguir mais munições e se preparar para uma ofensiva com o objetivo de capturar mais territórios quando as tropas sírias tenham abandonado as operações militares".

Savchenko precisou que nem a aviação russa, nem a síria realizaram ataque aéreos na semana passada.



Postar um comentário