Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Rússia se diz disposta a dialogar sobre novo tratado de armas convencionais na Europa

A Rússia está aberta para o diálogo sobre um novo acordo de controle de armas na Europa, mas não iniciará tal diálogo por conta própria, segundo declarou o Ministério das Relações Exteriores russo em um comunicado nesta segunda-feira (5).


Sputnik

Em agosto, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, escreveu em um artigo para o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung que um novo tratado sobre forças armadas convencionais na Europa ajudaria a evitar uma corrida armamentista entre a Rússia e a OTAN, além de contribuir para a "transparência, prevenção de risco e consolidação da confiança". Ele disse ainda que Moscou havia repetidamente proposto novas discussões sobre a questão.


Ministério das Relações Exteriores da Rússia
Ministério das Relações Exteriores da Rússia © Sputnik/ Natalia Seliverstova

"O lado russo não está demandando isso, ao contrário do que foi dito no artigo", afirma a declaração da chancelaria russa publicada em resposta ao texto de Steinmeier.

Ainda de acordo com o comunicado, a Rússia está aberta à discussão sobre estabilidade e segurança internacionais desde que sejam respeitados os termos de igualdade e respeito mútuo de interesses.

Em 19 de novembro de 1990, os membros da OTAN, bem como os Estados-membros do extinto Pacto de Varsóvia, assinaram o Tratado sobre Forças Armadas Convencionais na Europa (CFE), que limitava o número de equipamentos militares convencionais no continente para os dois blocos, bem como concebia mecanismos para monitorar sua implementação. 


Em março de 2015, a Rússia decidiu suspender completamente a sua participação no CFE, devido, sobretudo, às tentativas da OTAN de contornar as disposições do tratado através da expansão militar da aliança para o leste. 


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas