Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

'Se não eliminarmos os terroristas na Síria, amanhã chegarão a Moscou'

Os "processos migratórios" do Daesh continuam. A necessidade de eliminar os terroristas na Síria e no Iraque permanece urgente.


Sputnik


Entretanto, mais e mais militantes fogem para os seus países de origem devido às grandes baixas sofridas entre os terroristas na Síria e no Iraque, onde se realizam operações antiterroristas. O relatório do Conselho de Segurança da ONU sobre o Daesh e a Al-Qaeda afirma que os terroristas no Oriente Médio sofrem uma pressão colossal que leva a que abandonem as zonas de conflito. A mesma situação pode ser observada na Líbia e no Afeganistão. Segundo os dados da ONU, no momento atual 10-30% dos jihadistas voltaram para os seus países. 


Caça da Força Aeroespacial russa Su-30SM decola da base aérea de Hmeymim, Síria, junho de 2016
Sukhoi Su-30 da Força Aérea da Rússia na base aérea da Síria © Sputnik/ Ramil Sitdikov

O correspondente da emissora estatal iraniana na Síria, Hassan Shemsadi, disse em entrevista à Sputnik Persa que a operação antiterrorista russa e a cooperação de Moscou com Teerã nesta área têm uma importância especial.
 

Shemsadi disse que, 65 meses atrás, quando começou a crise síria, a Rússia e o Irã tomaram uma posição decisiva tendo atingido uma compreensão comum sobre o assunto.

"O que acontece na Síria não é a vontade ou apelo revolucionário do povo deste país, mas é uma tentativa dos conspiradores estrangeiros realizarem seus planos pérfidos. Há que notar que o fluxo dos novos mercenários de vários países, se juntando aos terroristas no território da Síria, foi bem organizado desde início. Agora mesmo, os serviços de segurança ocidentais, e os norte-americanos em particular, reconheceram que dezenas de milhares de terroristas de 90 nacionalidades de todo o mundo lutam violentamente na Síria e no Iraque contra os governos legítimos e os exércitos destes países árabes", disse.
 

Segundo o jornalista, a Rússia e o Irã elaboraram uma estratégia para eliminar os próprios terroristas e lutar contra seus patrocinadores regionais. E a cooperação russo-iraniana está sendo muito bem sucedida.

"As autoridades russas compreendem bem que se não realizarem uma luta sem precedentes contra terroristas na Síria e no Iraque, eliminando as suas posições, dentro de algum tempo terão de apanhá-los no metrô de Moscou e em outras regiões do país", notou Shemsadi. 


Os terroristas não ameaçam só Moscou ou Teerã, eles são uma ameaça mundial, destacou o jornalista. As provas disso são os desenvolvimentos na França, Turquia, Bélgica e outros países.

Shemsadi disse que as ações da Rússia e do Irã são justificadas e devem continuar até à vitória final.


Postar um comentário