Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Síria acusa coalizão liderada pelos EUA de atacar posição do Exército

Bombardeio ocorreu perto do aeroporto de Deir al-Zor.
Pentágono admitiu possibilidade de erro em ataque da coalizão.


Reuters

 
O comando geral do Exército da Síria disse que aviões da coalizão liderada pelos Estados Unidos bombardearam uma posição do Exército sírio em Jebel Tharda perto do aeroporto de Deir al-Zor, neste sábado (17), abrindo caminho para que os combatentes do Estado Islâmico tomem o local.


Síria acusou coalizão liderada pelos EUA de atacar posição do Exército (Foto: Reuters)
Síria acusou coalizão liderada pelos EUA de atacar posição do Exército (Foto: Reuters)

O ataque aéreo matou soldados sírios e é "prova conclusiva" de que os EUA e seus aliados apoiam o grupo jihadista, disse o Exército sírio em um comunicado, ressaltando que o ataque é uma "perigosa e flagrante agressão".

O Pentágono admitiu que é "possível" que bombardeios da coalizão internacional tenham atingidos membros e veículos do Exército do governo sírio na cidade de Deir ez Zor, neste sábado.

Em comunicado, o Pentágono afirmou que as forças da coalizão internacional acreditavam ter acertado uma posição de um grupo de militantes do Estado Islâmico, mas o Ministério da Defesa da Rússia advertiu às forças americanas que era "possível" que soldados e veículos que estavam sendo bombardeados fizessem parte das forças do regime sírio. A coalizão internacional decidiu interromper o ataque.

A coalizão liderada pelos EUA vem realizando ataques aéreos contra o Estado Islâmico desde setembro de 2014. Em dezembro, o governo de Damasco acusou a coalizão de atacar um acampamento do Exército perto de Deir al-Zor, mas Washington disse que o ataque foi feito por jatos russos.

Os EUA disseram no sábado que levaram a cabo um ataque em Deir al-Zor contra cinco rotas de abastecimento do Estado islâmico, assim como outros ataques perto de Raqqa e em outros lugares na Síria.

Exército da Síria controla aeroporto de Deir al-Zor e partes da cidade que está, de outra forma, totalmente cercada por território mantido pelo Estado Islâmico.

Os Estados Unidos e a Rússia chegaram a um acordo sobre a Síria na semana passada, que envolve um cessar-fogo que entrou em vigor na segunda-feira, a entrega de ajuda humanitária a áreas sitiadas e uma eventual ação conjunta contra grupos jihadistas militantes se a trégua for mantida.

A guerra civil de cinco anos na Síria entre o presidente Bashar al-Assad e os rebeldes que procuram derrubá-lo atraiu as potências regionais e globais e permitiu que grupos jihadistas militantes, incluindo o Estado Islâmico, ganhassem território.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas