Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Coalizão Árabe admite que atacou cerimônia fúnebre no Iêmen 'por engano'

A Coalizão Árabe chefiada pela Arábia Saudita, que lidera a luta contra os rebeldes no Iêmen, anunciou os resultados da investigação do ataque aéreo contra uma cerimônia fúnebre em Sanaa e afirma que ele foi resultado do engano, informa o canal de televisão Al Arabiya. 


Sputnik

"A equipe [de investigadores] chegou à conclusão que representantes do Estado-Maior da Força Aérea iemenita forneceram informação, que mais tarde se revelou errada, sobre a posição exata de comandantes houthis armados", diz o comunicado da coalizão. 
Consequências do ataque em Sanaa, Iêmen, 8 de outubro de 2016
Ataque em Sanaa © AFP 2016/ MOHAMMED HUWAIS

Foi destacado que, depois da entrega da informação, o ataque foi realizado imediatamente como contra um alvo militar. A decisão foi tomada pelo Estado-Maior do Iêmen sem a autorização do comando central da coalizão.

"O ataque contra a posição foi feito por engano… É necessário tomar medidas legais contra aqueles cujas ações resultaram no incidente e começar a trabalhar para a compensação das famílias das vítimas e dos feridos", disse a coalizão, citada pelo canal Al Arabiya.

De acordo com a ONU, em resultado do ataque em Sanaa realizado ontem (8) morreram 140 pessoas. Mais de 500 ficaram feridas. Segundo dados de outras fontes, o número de vítimas chega a 213 pessoas. Segundo outros dados, a coalizão liderada pela Arábia Saudita lançou cinco ataques aéreos contra a capital do Iêmen, Sanaa, após o ataque contra a cerimônia fúnebre. Anteriormente a coalizão árabe insistia não ter participado do ataque.
 


Postar um comentário

Postagens mais visitadas