Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Daesh não está recebendo reforços em Mossul

Militares iraquianos não registraram chegada de reforços para os terroristas do Daesh na cidade de Mossul, informou à agência RIA Novosti o porta-voz do comando unificado de operações conjuntas das instituições de defesa do Iraque, general de brigada Yahya Rasul.


Sputnik


“A notícia da chegada de reforços da Síria para Mossul é uma desinformação do Daesh. Pelo contrário, os jihadistas demonstram a intenção de fugir de Mossul para a Síria”, disse o militar, adicionando que o exército iraquiano e as milícias xiitas estão monitorando todos os movimentos do Daesh. 


Exército iraquiano nos arredores de Mossul
Exército iraquiano próximo a Mossul © Sputnik/ Hikmet Durgun

Em 17 de outubro de 2016 as Forças Armadas do Iraque, juntamente com outros grupos armados que incluem as formações curdas peshmerga, iniciaram ofensiva contra Mossul, uma das duas "capitais" do grupo terrorista Daesh, que ocupou a cidade iraquiana em 2014, proclamando-a como um dos centros do seu "califado".



Postar um comentário