Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Estado-Maior russo: Terroristas na Síria continuam recebendo armas dos EUA

Terroristas na Síria continuam recebendo armas modernas, inclusive os sistemas de mísseis antitanque TOW, de produção dos EUA. É o que afirma o Estado-Maior russo nesta segunda-feira.


Sputnik


Segundo o chefe de Operações do Estado-Maior, tenente-general Sergei Rudskoi, o Ocidente não deseja nem corrigir nem responder às agressões do combatentes na Síria que resultam em mortes de civis. 


Misil antitanque TOW
Sistema antitanque BGM-71 Tow © Foto: US Department of Defense

"Segundo informações de várias fontes, os combatentes continuam recebendo armas modernas, incluindo os sistemas antitanque TOW, de fabricação dos EUA", disse ele. 


"Em 13 de outubro, como resultado fogos de morteiros na região do curdistão iraquiano, foram mortos sete estudantes, e desde o começo de setembro morreram mais de 130 crianças", destacou Rudskoi. 

"Após os bombardeios de 14 de outubro por partes de militantes contra moradores da região central de Aleppo foram mortas sete pessoas e outras 14 ficaram feridas. Estes fatos continuam sem a atenção dos países ocidentais. Eles não querem nem corrigir, nem responder à violência dos combatentes", acrescentou. 

Rudskoi ainda destacou que os aviões de combate russos baseados na Síria estão constantemente realizando ataques aéreos contra rotas de reforço e comboios de armas de militantes na periferia de Aleppo.

Postar um comentário