Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Única mulher a bordo do submarino argentino desaparecido é oficial pioneira

Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é a 'primeira submarinista' da Argentina. O ARA San Juan desapareceu com 44 tripulantes no Atlântico Sul.
G1

Única mulher no submarino militar argentino desaparecido com 44 tripulantes no Atlântico Sul, Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é descrita pela imprensa local como primeira oficial submarinista do país e da América do Sul. Ela ocupa o cargo de chefe de armas do ARA San Juan, que perdeu contato com a terra na sexta-feira (17).

Eliana nasceu em Oberá, na província de Misiones, no nordeste da Argentina, e só conheceu o mar aos 21 anos de idade, destaca o perfil do jornal "Clarín". Após se formar no ensino médio, ela se matriculou na Universidade de Misiones para fazer faculdade de Engenharia Industrial.

Duas tragédias familiares levaram Eliana a desistir do curso: a morte de um irmão, em um acidente de trânsito, e a morte da mãe, em decorrência de um problema cardíaco.

Em um perfil publicado em 2015 na revista "Viva", que …

Ex-embaixadora argentina: 'Reino Unido viola todas as normas internacionais'

Alicia Castro, ex-embaixadora argentina em Caracas e Londres, expressou sua visão sobre os exercícios militares que o Reino Unido vai realizar nas Ilhas Malvinas nos dias 19-28 de outubro. 


Spuntik

Castro foi entrevistada no programa Voces del Mundo da Rádio Sputnik Mundo. 


Ilhas Malvinas
Ilhas Malvinas © AFP 2016/ JUAN MABROMATA


A diplomata caracterizou essas manobras como ilegais, ressaltando que elas violam as normas e resoluções internacionais da ONU e da Organização Marítima Internacional (OMI).

Segundo ela, os exercícios navais do Reino Unido "colocam em perigo a segurança da vida humana no mar e da navegação".

Entretanto, Castro lançou fortes críticas contra o governo argentino pela reação "lenta e formal" da chancelaria do país. 


"Acho que os argentinos estão cientes que agora não temos um governo que defenda a soberania ou que esteja reagindo a essas ações unilaterais do Reino Unido", reclama. 

Segundo ela, ao contrário do governo atual, os governos anteriores agiram de maneira completamente diferente em relação a ações semelhantes do Reino Unido no passado, citando como exemplo a presidência de Raúl Alfonsín nos anos 1983-1989 que era contra tais práticas. 

A ex-embaixadora explica que "no documento assinado em 13 de setembro, as partes assumem o compromisso de eliminar todos os obstáculos que impedem o crescimento econômico das ilhas e o desenvolvimento sustentável, mas as palavras foram copiadas das cláusulas britânicas". 

Assim, segundo ela, o referido acordo "é falso", pois o documento que prevê, por exemplo, a introdução de voos adicionais para países terceiros, "é discriminatório em relação à Argentina territorial, não haverá voos para a Argentina".

"O nosso país aceitou essas condições e agora as apresenta como algo positivo", revela a ex-diplomata.

Segundo Castro, tal linha de conduta do atual governo argentino enfraquecerá as posições nacionais do país. 


De acordo com o Ministério da Defesa britânico, as manobras militares vão incluir lançamentos de mísseis e testes do sistema de defesa antiaéreo. Nas Ilhas Malvinas está situada uma base militar britânica com capacidade de posicionar 80 aviões militares e 20 sistemas de transporte, além de uma entrada para submarinos nucleares.


Postar um comentário