Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Confira a arma secreta da China em uma eventual guerra contra os EUA

A evidência do emprego de minas marítimas na doutrina da guerra naval chinesa segue crescendo.
Sputnik

Nas fases finais da Guerra do Pacífico, os estrategistas americanos combinaram genialmente dois sistemas de armas, o revolucionário bombardeiro de longo alcance B-29 e as relativamente simples minas marítimas com explosivos magnéticos ou acústicos, causando um caos na economia e moral japoneses. O esforço para semear profusamente as águas japonesas com milhares de minas foi denominado de "Operação Fome" e esse esforço provou sua alta eficiência para pôr o Japão de joelhos. Contudo, a Marinha americana também foi vítima do emprego hábil da guerra de minas e esses casos são mais recentes.

O caso clássico provém da Guerra da Coreia, quando minas foram colocadas ao largo da Coreia do Norte, evitando que os estadunidenses realizassem uma invasão eficiente em Wonsan. Durante a Guerra do Golfo Pérsico, dois navios norte-americanos, o "Tripoli" e o "Princeton", for…

Generais dos EUA preveem conflitos sangrentos com Rússia e China

Generais americanos analisaram possíveis cenários de conflitos globais do futuro durante uma reunião da Associação de Tropas Terrestres dos EUA, realizada esta semana, informou o portal de internet Defense One. 

Sputnik

De acordo com a publicação, os militares concordaram que Rússia e China, cujos exércitos têm passado por modernizações técnicas e tecnológicas, estão se tornando cada vez mais uma ameaça séria para os EUA. 
Soldados norte-americanos no Afeganistão
Tropas norte-americanas no Afeganistão © AFP 2016/ Johannes EISELE
Durante o encontro, o tenente-general Joseph Anderson destacou que os EUA enfrentam ameaças diretas que partem de "estados modernos que agem de forma bastante agressiva no âmbito de sua rivalidade militar”.

Diante disso, o Pentágono está se preparando para adotar “ações militares nunca vistas por tropas terrestres dos EUA desde os tempos da Guerra da Coreia” – disse o major-general William Hicks. Nas sua opinião, as guerras vão começar de repente, portante o exército americano precisa manter um alto nível de prontidão de combate e ser capaz de repor rapidamente suas perdas.

“No futuro próximo, os conflitos não nucleares se tornarão excepcionalmente sangrentos e fulminantes. E não seremos capazes de pará-los no cronômetro” – acrescentou Hick. 
Por sua vez, o chefe do Estado Maior do Exército dos EUA, Mark Milly, segundo relata o portal Military.com, atenta ao fato de que os inimigos poderão conquistar a superioridade nos ares e limitar as ações da Marinha americana. Além disso, segundo ele, o exército também deverá estar preparado a guerra cibernética, a falta de navegação por satélite e ações de combate em difíceis condições urbanas. 
Na opinião do general, Rússia, Irã, China e Coreia do Norte “aprenderam” com os exemplos do exército americano. 
“Eles estudaram a nossa doutrina, a nossa tática, equipamentos, nossa organização, aprendizado, comando. Ele reviram suas doutrinas e agora estão rapidamente modernizando suas forças armadas, (…) na esperança de nos vencer no futuro” – disse Milly.

Apesar disso, o general americano expressou a esperança de que os EUA serão capazes de “eliminar qualquer inimigo em qualquer lutar e a qualquer hora”.

“Quer deixar claro para aqueles que tentam nos fazer mal. (…) O Exército dos EUA, apesar de todos os nossos problemas, (…) nós iremos pará-los e dar um sacode que vocês nunca viram antes. Não se enganem” – disse Milly.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas