Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Itália lidera oposição a novas sanções contra a Rússia

O primeiro-ministro italiano Matteo Renzi liderou um grupo de países e conseguiu influenciar os líderes da Alemanha, França e Reino Unido a não adotarem novas sanções contra a Rússia devido à situação na Síria na cúpula da União Europeia (UE), informou o jornal The Financial Times citando fontes diplomáticas. 


Sputnik

Na noite de quinta para sexta-feira (21), os participantes da cúpula da UE aprovaram um documento final que não menciona sanções contra a Rússia por causa da Síria, embora os líderes europeus tivessem condenado as ações de Moscou e Damasco em Aleppo.


Primeiro-ministro italiano Matteo Renzi (foto de arquivo)
Matteo Renzi © AP Photo/ Geert Vanden Wijngaert

A fonte disse à The Financial Times que a discussão tornou-se "mais difícil" do que Berlim, Londres e Paris esperavam. Estes três países são os principais apoiantes de medidas duras. Segundo a fonte, os países que estavam contra a ideia foram a Espanha, Áustria, Chipre e Grécia, mas o líder do grupo foi o premiê italiano Matteo Renzi.

"Durante nove horas de negociações na cúpula da UE, o primeiro-ministro italiano alcançou êxito em retirar a proposta de novas sanções que fora introduzida antes do início da reunião", disse o jornal. 


Os EUA e outros países ocidentais acusam Moscou e Damasco de bombardear civis e posições da oposição armada, mas não apresentam quaisquer provas. A Síria e a Rússia insistem que realizam ataques somente contra terroristas e acusam Washington de incapacidade de influenciar as unidades da "oposição moderada" e demarcá-las dos radicais.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas