Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Itália lidera oposição a novas sanções contra a Rússia

O primeiro-ministro italiano Matteo Renzi liderou um grupo de países e conseguiu influenciar os líderes da Alemanha, França e Reino Unido a não adotarem novas sanções contra a Rússia devido à situação na Síria na cúpula da União Europeia (UE), informou o jornal The Financial Times citando fontes diplomáticas. 


Sputnik

Na noite de quinta para sexta-feira (21), os participantes da cúpula da UE aprovaram um documento final que não menciona sanções contra a Rússia por causa da Síria, embora os líderes europeus tivessem condenado as ações de Moscou e Damasco em Aleppo.


Primeiro-ministro italiano Matteo Renzi (foto de arquivo)
Matteo Renzi © AP Photo/ Geert Vanden Wijngaert

A fonte disse à The Financial Times que a discussão tornou-se "mais difícil" do que Berlim, Londres e Paris esperavam. Estes três países são os principais apoiantes de medidas duras. Segundo a fonte, os países que estavam contra a ideia foram a Espanha, Áustria, Chipre e Grécia, mas o líder do grupo foi o premiê italiano Matteo Renzi.

"Durante nove horas de negociações na cúpula da UE, o primeiro-ministro italiano alcançou êxito em retirar a proposta de novas sanções que fora introduzida antes do início da reunião", disse o jornal. 


Os EUA e outros países ocidentais acusam Moscou e Damasco de bombardear civis e posições da oposição armada, mas não apresentam quaisquer provas. A Síria e a Rússia insistem que realizam ataques somente contra terroristas e acusam Washington de incapacidade de influenciar as unidades da "oposição moderada" e demarcá-las dos radicais.


Postar um comentário