Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

'Libertação de Mossul pode levar a Terceira Guerra Mundial'

As tentativas de transformar a operação de libertação da cidade iraquiana de Mossul em motivo para uma nova guerra, a ser levada a cabo por terceiras forças, pode levar a um conflito global, disse o vice-premiê turco Numan Kurtulmus.


Sputnik


Mais cedo, Ancara manifestou-se contra a participação da milícia xiita da operação de libertação de Mossul, explicando esta decisão pela ameaça de confrontos interconfessionais na região. 


Forças iraquianas passam no deserto no âmbito de operação de libertação de Mossul, Iraque, 20 de outubro de 2016
Tropas iraquianas em direção a Mossul © AFP 2016/ AHMAD AL-RUBAYE

"A tentativa de transformar a operação de libertação de Mossul dos terroristas do Daesh (proibido na Rússia) em motivo para uma nova guerra, a ser travada pelas mãos de forças terceiras, pode levar a consequências catastróficas, inclusive à Terceira Guerra Mundial", disse o vice-premiê do país, citado pela agência Anadolu. 


Segundo Kurtulmus, o futuro de Mossul afeta diretamente os interesses da Turquia, bem como o futuro de Aleppo e Damasco. "Os residentes dos países vizinhos são nossos amigos, irmãos e parentes. Todos nós vivemos em uma região. Ninguém tem o direito de impedir a Turquia de se interessar pelos desenvolvimentos nos países vizinhos", disse o vice-premiê.

O responsável turco criticou mais uma vez as autoridades iraquianas, que se manifestam contra a presença dos militares turcos no campo de Bashiqa, no norte do país. "Hoje o primeiro-ministro do Iraque tentou criticar a Turquia. Entretanto, primeiramente deve responder à questão por que razão a segunda maior cidade do Iraque se rendeu aos terroristas sem nenhum tiro? Por que razão durante todos esses anos não foi concordado um plano de salvamento de Mossul? Por que razão os EUA e a comunidade internacional não considera de forma séria a luta contra o Daesh?", acrescentou Kurtulmus.

Em 17 de outubro, o primeiro-ministro iraquiano, Haider Abadi, anunciou o início da operação militar para liberar Mossul do controle do Daesh. Segundo a mídia local, cerca de 30 mil soldados iraquianos e 4 mil efetivos das unidades peshmerga participam da operação, apoiada pela coalizão internacional liderada pelos EUA, que realiza ataques aéreos.



Postar um comentário