Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares dos EUA prometem responder a possível ataque turco contra cidade síria de Manbij

Os militares norte-americanos prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade síria de Manbij à luz de uma possível operação turca na área, afirmou o comandante do Conselho Militar de Manbij, que faz parte das Forças Democráticas da Síria (FDS), Ebu Adil.
Sputnik

Em entrevista à Sputnik Turquia, Ebu Adil comentou a resposta dos EUA às preocupações expressas pelos representantes do Conselho Militar de Manbij devido a um possível ataque contra a cidade síria por parte de Ancara.


"Há dois anos, em conjunto com as forças da coalizão liderada pelos EUA, nós limpamos Manbij do Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Desde então, na cidade se encontram forças da coalizão. Algum tempo atrás, nós falamos com os militares norte-americanos sobre um possível ataque da Turquia contra Manbij. Os militares dos EUA prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade, de onde quer que ele provenha", afirmou o comandante do conselho.

Além disso, ele …

Marinha dos EUA ameaça retaliar após ataque contra seu destróier no Iêmen

O Pentágono prevê ações de retaliação após o ataque de mísseis contra o destróier USS Mason, ocorrido perto das costas do Iêmen. 


Sputnik

"Vamos saber quem o fez e agir em conformidade", declarou ao canal CBS News, o porta-voz do Departamento de Defesa, capitão Jeff Davis, ao sublinhar que "quem quer que ameace os navios da Marinha dos EUA, o faz por sua conta e risco". 


Destróier Lassen da marinha dos EUA
© REUTERS/ US Navy


É "quase certo", escreve a CBS News, que os mísseis foram lançados a partir do território dos houthis, que controlam também a capital e contam com o apoio do Irã no conflito com a Arábia Saudita e a sua coligação, apoiada pelos EUA. Anteriormente, os houthis atacaram outros navios da coalizão perto das costas do país árabe.

Realizando um ataque de retaliação, os EUA corre o risco de se envolver em mais "um conflito cada vez mais feio e complicado" opina o canal.

Os combates no Iêmen levaram a uma situação humanitária "catastrófica": cerca de 20 milhões de pessoas, segundo as estimativas da ONU, tendo causado a morte de mais de 4.000 civis após o início dos ataques da Arábia Saudita em março de 2015. 


A última tragédia aconteceu no dia 8 de outubro, quando um ataque aéreo da coalizão contra uma cerimônia fúnebre matou 140 pessoas e feriu mais de 500.


Postar um comentário