Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: exército sírio parou de avançar para Afrin

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que as tropas do governo sírio deixaram de avançar para a cidade de Afrin "após consultas", realizadas pelo líder turco nesta segunda-feira.
Sputnik

As tropas do governo sírio "foram realmente detidas ontem (segunda-feira)", afirmou Erdogan, segundo a agência de notícias Anadolu. Segundo o chefe de Estado, isso aconteceu "após consultas". No entanto, Erdogan não especificou à que consultas estaria se referindo.


Nesta segunda-feira, o líder turco discutiu a situação em Afrin durante conversa telefônica com seus homólogos russo e iraniano, Vladimir Putin e Hassan Rouhani.

Erdogan também afirmou que as milícias pró-governo que tentaram entrar em Afrin nesta terça-feira, e que foram repelidas pelas tropas turcas, o fizeram por iniciativa própria.

"A milícia síria decidiu entrar em Afrin por conta própria. Isso é inaceitável e não ficará sem resposta", alertou Erdogan.

Anteriormente, a imprensa infor…

Ministro da Defesa de Israel promete destruir Hamas em caso de guerra na Faixa de Gaza

O chefe do Ministério da Defesa de Israel Avigdor Lieberman advertiu o movimento islâmico Hamas que a próxima guerra com Israel será a última para o grupo. 


Sputnik

Ao mesmo tempo, ele deixou claro que se opõe a uma confrontação armada.


Fumo de míssil lançado pelo Israel à Faixa de Gaza em represália ao ataque proveniente do enclave palestino, 5 de outubro de 2016
Fumaça de míssil lançado por Israel em direção à Faixa de Gaza em 5/10/2016

Nos últimos seis anos Israel realizou seis operações de larga escala na Faixa de Gaza, mas sempre se absteve de derrubar o regime islamista e de reocupar o enclave palestino que os israelenses abandonaram em 2005.

Liberman deu a entender que Israel "não pretende travar novas guerras contra os seus vizinhos na Faixa de Gaza ou na Cisjordânia, no Líbano ou na Síria", sobre o que ele falou ao jornal árabe AlQuds editado em Jerusalém Oriental. 


No entanto, Lieberman avisou que "no caso de o Hamas impor a Israel mais uma guerra, ela será a última" para o movimento. 

Se o Hamas desistir da confrontação armada com Israel, Lieberman promete à Faixa de Gaza investimentos nas zonas industriais, um porto marítimo e um aeroporto.

Anteriormente, em entrevista recente ao canal russo RTVi, o ministro da Defesa israelense frisou que os líderes do Hamas "têm um receio enorme e não querem quaisquer confrontos com Israel".

Ainda segundo Lieberman, os recentes ataques com mísseis provenientes da Faixa de Gaza foram da responsabilidade de pequenos grupos que se opõem ao Hamas e com partilham ideologia próxima do grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países).


Postar um comentário