Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

ONG: EUA mobiliza terroristas no sul da Síria para atacar Ghouta Oriental

Os militares norte-americanos estão mobilizando combatentes de diversos grupos armados com objetivo de atacar os subúrbios orientais de Damasco, disse à Sputnik o chefe da rede de direitos humanos na Síria, Ahmad Kazem.
Sputnik

"Neste momento os EUA estão juntando os combatentes do Daesh e outros grupos, inclusive os de Idlib, e tenta os transferir para At-Tanf e depois para Ghouta Oriental (subúrbio de Damasco), com objetivo de se contrapor ao exército sírio, que pretende liberar a região dos terroristas", disse Kazem. 


Segundo o defensor dos direitos humanos, os financiadores da Arábia Saudita ordenaram que os terroristas já localizados em Guta Oriental empreendam o máximo dos esforços para resistir às tropas de Damasco.

"Eles continuarão a atacar Damasco de forma caótica com seus morteiros", acrescentou o entrevistado.

Os terroristas, que tomaram o subúrbio oriental de Damasco, continuam a disparar contra os bairros centrais e residenciais da capital síria. Nesta qui…

Mísseis Iskander contra Patriot: Polônia está entre EUA e Rússia

A decisão tomada durante a cimeira da OTAN em Varsóvia relativamente à instalação de tropas perto à fronteira da Rússia resultou na instalação de mísseis russos Iskander na região de Kaliningrado.


Sputnik

Caso este tipo de corrida armamentista continue, a Polônia não terá sistemas de mísseis Patriot suficientes para neutralizar os Iskanderes russos. 


Soldado polonês junto às bandeiras da OTAN, Polônia e EUA
Soldado polonês junto das bandeiras dos EUA, Polônia e OTAN © REUTERS/ Kacper Pempel


Na conversa com a Sputnik Polônia o cientista político polonês Kazimierz Kik esclareceu: 

"Se a Polônia continuar realizando uma política, na qual a segurança polonesa se torna refém das relações, ou melhor dizer, da competição entre EUA e Rússia, neste caso a Polônia perderá o controle sobre a garantia da sua própria segurança. Por esta via ela cedê-lo-á a um conflito que está a um nível muito superior: fora do limite das nossas capacidades e fora de controle dos poloneses."

O especialista opinou que os Estados Unidos estão “demonstrando seus músculos” militares ao aproximar a aliança militar para mais perto das fronteiras da Rússia. Nesta situação, destacou, caso a Polônia interfira, só poderá observar, sem poder fazer nada, as capacidades da política externa russa ou até mesmo as de seu exército.

Kik vê uma solução num respeito mais profundo pelos interesses nacionais poloneses:


"Na minha opinião, na direção oriental não existe suficiente unidade na forma de pensar. Quer dizer, não há uma suficiente unidade russo-polaca. Não se trata de nós, poloneses, separadamente nos juntarmos aos russos. A ideia é dividir de forma adequada para nós, e para nossos interesses nacionais, as necessidades de uma Europa em integração".

O especialista admite que na Europa existem diferentes posições relativamente também à OTAN, mas seja como for, é a Polônia que deve decidir por si mesma o seu rumo futuro.

"Por mais que a Polônia peça Patriots e outros sistemas de defesa da OTAN, outros tantos (ou mesmo um pouco mais) Iskanderes aparecerão junto das fronteiras da Polônia", argumentou. 


Cabe lembrar que a seu tempo a França e a Alemanha conseguiram superar suas divergências e em consequência construir uma política única europeia.



Postar um comentário