Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Moscou apresentará protesto se Washington deslocar suas tropas do Iraque para Síria

A Rússia não está de acordo com os planos dos EUA para deslocar forças americanas adicionais, depois de tomar Mossul no Iraque, para conquistar Raqqa, disse à RIA Novosti Igor Morozov, membro do comitê para os assuntos internacionais do Conselho Federação da Rússia. 


Sputnik

A candidata presidencial do Partido Democrata, Hillary Clinton, declarou durante os últimos debates que depois de liberar Mossul dos extremistas do Daesh (grupo terrorista, proibido na Rússia) será necessário liberar a capital terrorista síria de Raqqa. 


Raqqa
Raqqa, Síria © flickr.com/ Beshr Abdulhadi


"A Rússia será completamente contra. Ela irá apresentar um protesto contra a deslocação ilegal de forças americanas sem um pedido oficial das autoridades sírias. Apenas existindo esse convite poderão os EUA deslocar meios aéreos adicionais para a Síria", sublinhou Morozov. 

Ele também frisou que esta alteração de cenário de esforços conjuntos na luta contra terrorismo internacional por parte de Washington contradiz os acordos de Genebra e poderá resultar em "um conflito militar de grande escala".

"Existem os acordos de Genebra para a Síria. Apesar dos americanos se recusarem em colaborar com a Rússia na Síria, os acordos devem continuar vigorando e regulando as ações das forças armadas da Síria, da força aeroespacial da Rússia e das forças da coalizão. Se os americanos começarem de modo unilateral alterando, com as forças da sua coalizão, o cenário dos esforços conjuntos para a destruição do Daesh, isso poderá resultar no conflito de grande escala sobre qual todo mundo fala e que deve ser evitado de todas as formas", disse Morozov.


Postar um comentário