Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Observadores russos denunciam ataques de grupos ilegais na Síria

Grupos armados ilegais lançaram 71 ataques na Síria nas últimas 24 horas. A informação foi divulgada pelo boletim diário do Centro Russo para a Reconciliação na Síria. 



Sputnik

"Em um único dia 71 ataques de grupos armados ilegais foram detectados nas províncias de Aleppo, Damasco, Hama e Latakia", diz o comunicado do Centro, publicado no site oficial do Ministério Defesa russo.


Prédios destruídos após ataques aéreos nas proximidades da cidade síria de Aleppo
Aleppo, Síria © REUTERS/ Abdalrhman Ismail


O documento destaca que a Força Aeroespacial da Rússia e a Força Aérea síria não atacaram os grupos armados da oposição que se comprometeram a respeitar a trégua no país.

A Síria vive desde 2011 um conflito no qual o exército do país enfrenta grupos armados da oposição e organizações terroristas, incluindo Daesh (Estado Islâmico) e a Frente al-Nusra, ambas proibidas na Rússia. 


O conflito já causou entre 300.000 e 400.000 mortes, segundo dados da ONU.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas