Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

OTAN irá monitorar navios russos a caminho do Mediterrâneo

Marinhas dos países-membros da OTAN planejam seguir o avanço dos navios russos para o mar Mediterrâneo, o posicionamento na região de um grupo naval coloca em dúvida as intenções da Rússia, disse um representante da Aliança à agência RIA Novosti. 


Sputnik

"A Rússia tem o direito de atuar em águas internacionais. As marinhas da OTAN planejam observar os navios russos enquanto estes avançam para o mar Mediterrâneo", disse o representante da Aliança.


Cruzador nuclear pesado russo Pyotr Veliky
Cruzador nuclear pesado Pyotr Veliky © Sputnik/ Vitaly Ankov


Segundo ele, "neste momento o posicionamento do grupo naval na parte oriental do mar Mediterrâneo não inspira confiança de que a Rússia trabalhe para resolver de forma política o conflito na Síria", disse.

Há que lembrar que um representante da Aliança Atlântica disse na quarta-feira (19) à mídia ocidental que a Rússia enviou todos os navios da Frota do Norte e a parte da Frota do Báltico para reforçar sua campanha na Síria. Ainda antes, a Frota do Norte informou do envio de um grupo de navios para o mar Mediterrâneo. 


Entretanto, o presidente da Academia de Problemas Geopolíticos Konstantin Sivkov afirmou que para o mar Mediterrâneo foi enviado o cruzador porta-aviões pesado Admiral Kuznetsov incluído em um grupo de ataque composto por 5-6 navios.

Segundo o especialista, a OTAN não tem razão quando diz que os 15 aviões a bordo do cruzador mudarão o equilíbrio de forças na região.

"Estes aviões são sobretudo caças, cerca de quatro MiG-29 e o resto são Su-33 que não estão adaptados para atacar alvos terrestres." 


"Assim, a chegada dos navios da Frota do Norte ao mar Mediterrâneo não reforçará significativamente as nossas forças militares na Síria. É mais provável que sejam medidas para prevenir ameaças aéreas potenciais do lado da OTAN", disse Sivkov.

Mais cedo, o serviço de relações públicas da Frota do Norte informou que o grupo de navios que será enviado para o mar Mediterrâneo inclui o porta-aviões Admiral Kuznetsov, o cruzador pesado de mísseis Pyotr Veliky, os navios antissubmarino Severomorsk e Vitse-admiral Kulakov e navios de apoio.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas