Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Protótipos do primeiro míssil brasileiro antinavio já começam a ser montados

Indústria de Defesa e Segurança

O programa da Marinha do Brasil de desenvolvimento do primeiro Míssil Antinavio de Superfície (MAN-SUP) com tecnologia nacional está na fase de montagem dos primeiros protótipos, divulgou a Fundação Ezute, empresa que participa na gestão dos requisitos técnicos do míssil. “O desenvolvimento do MAN-SUP é um projeto de longa duração que se iniciou em 2010. Hoje, estamos iniciando a montagem dos primeiros protótipos e em breve terão início os seus testes”, explica a diretora de Defesa da fundação, Andrea Silva Hemerly.


Programa MAN-SUP da Marinha tem o objetivo de garantir ao Brasil o domínio e a autonomia tecnológica em todo o ciclo de vida de armamentos desta classe. (Foto: Divulgação)
Programa MAN-SUP da Marinha tem o objetivo de garantir ao Brasil o domínio e a autonomia tecnológica em todo o ciclo de vida de armamentos desta classe. (Foto: Divulgação)

Além de dotar a armada brasileira de mísseis antinavios nacionais, atendendo às suas necessidades operacionais, o Programa MAN-SUP da Marinha tem o objetivo de garantir ao Brasil o domínio e a autonomia tecnológica em todo o ciclo de vida de armamentos desta classe, desde o desenvolvimento até a operação e a manutenção,em parceria com a indústria nacional de defesa.

A nacionalização dos componentes do armamento conta com o apoio da Fundação Ezute – responsável pela gestão dos requisitos técnicos do míssil, da interface entre todos os subsistemas e das atividades de validação dos componentes do projeto – além de Avibras, Mectron, Omnisys e do Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo. “As empresas utilizam a plataforma de gestão da Ezute, que propicia uma visão integrada do empreendimento aos partícipes, além de também prover áreas reservadas a cada organização para apoio à gestão de sua parte do escopo”, conta Andrea.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas