Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Águas 'quentes' da Síria: fragata russa persegue submarino nuclear dos EUA

Durante sua última missão no mar Mediterrâneo em abril passado, a fragata Admiral Essen da Marinha russa conseguiu detectar e perseguir um submarino nuclear dos EUA perto da costa síria. Essa informação foi só agora tornada pública.
Sputnik

A fragata Admiral Essen, pertencente à Frota do Mar Negro, perseguiu o submarino estadunidense da classe Ohio durante mais de duas horas, comunica o jornal russo Izvestiya, citando o Estado-Maior da Marinha russa.

A tripulação do navio russo registrou os parâmetros principais do submarino para, em seguida, os adicionar ao retrato acústico do submersível.

A fragata havia partido para o mar Mediterrâneo em março e regressou à base de Sevastopol no fim de junho. Encontrava-se na zona costeira síria quando os EUA, o Reino Unido e a França atacaram a Síria com mísseis.

Além disso, no decurso da missão, a sua tripulação realizou uma série de manobras táticas. Em particular, treinou ataques contra alvos marítimos e aéreos, combate em grupo e isolado, bem como…

Serviços secretos dos EUA querem minar situação na Crimeia

Crimeia conta porque EUA não admitem proibição de Congresso do Povo Tártaro.


Sputnik


O vice-premiê do governo crimeano Dmitry Polonsky explicou que o Congresso do Povo Tártaro é uma criação dos serviços secretos dos EUA, por isso eles não admitem a proibição decretada pelo Supremo Tribunal russo. 


Ativistas do grupo Setor de Direita (proibido na Rúsisia) e os da comunidade de tártaros crimeanos realizam buscas e inspeção de carros e documentos na entrada à Crimeia por parte do território da Ucrânia
O grupo Setor de Direita e da comunidade de tártaros crimeanos realizam busca e inspeção de carros e documentos na entrada da Crimeia a partir da Ucrânia © Sputnik/ Maks Vetrov

Este último, em 29 de setembro, reconheceu como legítimo o veredito do Supremo Tribunal da Crimeia sobre o caráter extremista do Congresso do Povo Tártaro.


"Como poderiam eles negar apoio àquilo que criaram e que financiam?", disse Polonsky citado pela RIA Novosti. 

O responsável oficial crimeano acha que os serviços especiais dos EUA gostariam de aproveitar por período mais longo possível da organização visando promover seus interesses. 

"Eles criaram este Congresso como um órgão de oposição à maioria russa no território da península, minando assim as relações interétnicas na nossa península multinacional", declarou. 

A Crimeia deixou de fazer parte da Ucrânia e foi reintegrada na Rússia em março de 2014, após um referendo no qual 96% dos habitantes da região votaram a favor da mudança. O referendo foi boicotado pelos tártaros.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas