Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Serviços secretos dos EUA querem minar situação na Crimeia

Crimeia conta porque EUA não admitem proibição de Congresso do Povo Tártaro.


Sputnik


O vice-premiê do governo crimeano Dmitry Polonsky explicou que o Congresso do Povo Tártaro é uma criação dos serviços secretos dos EUA, por isso eles não admitem a proibição decretada pelo Supremo Tribunal russo. 


Ativistas do grupo Setor de Direita (proibido na Rúsisia) e os da comunidade de tártaros crimeanos realizam buscas e inspeção de carros e documentos na entrada à Crimeia por parte do território da Ucrânia
O grupo Setor de Direita e da comunidade de tártaros crimeanos realizam busca e inspeção de carros e documentos na entrada da Crimeia a partir da Ucrânia © Sputnik/ Maks Vetrov

Este último, em 29 de setembro, reconheceu como legítimo o veredito do Supremo Tribunal da Crimeia sobre o caráter extremista do Congresso do Povo Tártaro.


"Como poderiam eles negar apoio àquilo que criaram e que financiam?", disse Polonsky citado pela RIA Novosti. 

O responsável oficial crimeano acha que os serviços especiais dos EUA gostariam de aproveitar por período mais longo possível da organização visando promover seus interesses. 

"Eles criaram este Congresso como um órgão de oposição à maioria russa no território da península, minando assim as relações interétnicas na nossa península multinacional", declarou. 

A Crimeia deixou de fazer parte da Ucrânia e foi reintegrada na Rússia em março de 2014, após um referendo no qual 96% dos habitantes da região votaram a favor da mudança. O referendo foi boicotado pelos tártaros.

Postar um comentário