Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Síria garantirá segurança de pessoas armadas saindo de Aleppo

O Governo da Síria diz que garantirá a segurança de todos que desejem abandonar a cidade de Aleppo, incluindo as pessoas armadas. A informação é do representante permanente da Síria na ONU, Bashar Jaafari.


Sputnik


O diplomata enviou uma carta ao Conselho de Segurança e ao secretário-geral da ONU em que garante a "segurança das pessoas que desejem abandonar a região" e também as pessoas armadas que desejem marchar a outros lugares com suas armas pessoais". 


Combatentes da milícia no campo dos refugiados palestino de Handarat no sudeste de Aleppo liberada dos terroristas, Síria
Combatentes da milícia em um campo de refugiados palestino © Sputnik/ Mikhail Alaeddin

A situação em Aleppo se agravou nos últimos meses com os combates se acirrando dentro da própria cidade em seus arredores; os jihadistas abrem fogo contra bairros residenciais, detém civis como reféns e impedem a chegada de ajuda humanitária. 


O Ocidente responsabiliza Damasco e seus aliados pela escalada das hostilidades em Aleppo que, segundo o Escritório da ONU para Assuntos Humanitários, provocou mais de 400 mortes desde que o Exército da Síria lançou sua operação contra os terroristas e grupos rebeldes na parte oriental de Aleppo, a segunda cidade mais importante da Síria.

Postar um comentário