Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Síria garantirá segurança de pessoas armadas saindo de Aleppo

O Governo da Síria diz que garantirá a segurança de todos que desejem abandonar a cidade de Aleppo, incluindo as pessoas armadas. A informação é do representante permanente da Síria na ONU, Bashar Jaafari.


Sputnik


O diplomata enviou uma carta ao Conselho de Segurança e ao secretário-geral da ONU em que garante a "segurança das pessoas que desejem abandonar a região" e também as pessoas armadas que desejem marchar a outros lugares com suas armas pessoais". 


Combatentes da milícia no campo dos refugiados palestino de Handarat no sudeste de Aleppo liberada dos terroristas, Síria
Combatentes da milícia em um campo de refugiados palestino © Sputnik/ Mikhail Alaeddin

A situação em Aleppo se agravou nos últimos meses com os combates se acirrando dentro da própria cidade em seus arredores; os jihadistas abrem fogo contra bairros residenciais, detém civis como reféns e impedem a chegada de ajuda humanitária. 


O Ocidente responsabiliza Damasco e seus aliados pela escalada das hostilidades em Aleppo que, segundo o Escritório da ONU para Assuntos Humanitários, provocou mais de 400 mortes desde que o Exército da Síria lançou sua operação contra os terroristas e grupos rebeldes na parte oriental de Aleppo, a segunda cidade mais importante da Síria.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas