Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Stratfor: Vitória dos EUA em Mossul virá com alto custo humanitário

A operação em Mossul irá trazer um alto custo humanitário, tendo em vista o grande número de civis iraquianos mantidos como reféns pelos terroristas do Daesh. É o que avalia um relatório da empresa de inteligência global norte-americana Stratfor. 


Sputnik
 

De acordo com o relatório, os jihadistas estão usando civis e suas crianças como escudo humano para desencorajar a coalizão liderada pelos EUA de realizar ataques aéreos. 

Em 15 de outubro, forças antiterroristas de elite do Iraque já tinham se mobilizado para se preparar para a operação de libertação de Mossul
Tropas iraquianas em direção a Mossul © AP Photo/ Khalid Mohammed

"Enquanto não há dúvidas de que a coalizão liderada pelos EUA, junto com as forças armadas do Iraque e as forças curdas Peshmerga, vão, por fim, prevalecer na batalha de Mossul, a vitória deve vir com um alto custo político e humanitário", afirma a Stratfor. 

"As agências humanitárias têm alertado que a ofensiva para libertar a cidade vai posteriormente degradar a situação humanitária no norte do Iraque", acrescenta o relatório, observando que a operação poderia aumentar a taxa de vítimas civis do Iraque por causa do grande número de civis que permanecem na cidade. 

De acordo com o relatório, desde que a campanha começou em 17 de outubro, centenas de famílias têm fugido da cidade, se somando ao 4 milhões de deslocados iraquianos por causa do Daesh (Estado Islâmico, proibido na Rússia).

Em 16 de outubro de 2016, domingo, as Forças Armadas do Iraque, juntamente com outros grupos armados que incluem as formações curdas peshmerga ("aqueles que olham a morte na cara", em tradução literal), iniciaram ofensiva contra Mossul, uma das duas "capitais" do grupo terrorista Daesh. Grupo terrorista que ocupou a cidade iraquiana em 2014, proclamando-a como um dos centros do seu "califado", o segundo centro sendo Raqqa, no país vizinho sírio. 


O Daesh vem aterrorizando todo o mundo e há cinco anos, pelo menos, é considerado "ameaça N° 1 ao mundo". O grupo terrorista Daesh é proibido na Rússia e faz parte da lista de organizações terroristas da Organização das Nações Unidas (ONU).

Postar um comentário