Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

União Europeia pretende reforçar sanções contra sírios

A União Europeia pretende reforçar as sanções contra indivíduos e empresas sírias que apoiam o regime do país, tendo em vista a continuação da repressão na Síria. É o que diz a declaração final dos ministros das Relações Exteriores dos Estados membros da União Europeia.


Sputnik


"A União Europeia vai agir rapidamente, de acordo com os procedimentos estabelecidos, com vista a impor novas medidas restritivas contra indivíduos e entidades da Síria que apoiam o regime sírio, tendo em vista a continuação da repressão", afirmaram os chanceleres dos países do bloco europeu. 


Bandeiras da União Europeia próximo ao edifício da Comissão Europeia, Bruxelas
Comissão Europeia em Bruxelas © AFP 2016/ EMMANUEL DUNAND

Anteriormente, o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Marc Ayrault, havia declarado que os chanceleres dos países-membros da União Europeia iriam discutir opções para aumentar a pressão sobre o presidente sírio, Bashar Assad, e seus aliados. 


O conflito sírio acontece desde março de 2011 e, segundo os dados da ONU, já causou mais de 220 mil mortes.

Postar um comentário