Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Washington Post: Casa Branca considerou hipótese de armar rebeldes sírios para combater aviação russa

A administração do presidente norte-americano Barack Obama considerou a hipótese de fornecer armas pesadas aos rebeldes sírios, o que poderia ajudar a oposição "moderada" a "defender-se da aviação russa e artilharia", informou o jornal norte-americano The Washington Post.


Sputnik


Na última reunião do presidente norte-americano com a sua equipa responsável pela segurança nacional, foi discutido o assunto se os EUA deveriam fornecer novas armas à oposição síria apoiada pela CIA. Entretanto, o plano não foi aprovado nem rejeitado, informou o The Washington Post. 


Caças russos Su-25 decolam da base aérea de Hmeymim na Síria
Sukhoi Su-25 na Síria © Sputnik/ Dmitriy Vinogradov

Tal incerteza neste assunto indica "um ceticismo crescente na administração" em relação ao programa secreto da CIA no âmbito do qual os EUA "têm treinado e armado milhares de militantes sírios nos últimos três anos", diz-se na matéria. 


As propostas de aumentar o apoio aos rebeldes sírios em forma de meios de defesa antiaérea, para ser usada contra a aviação síria e a Força Aeroespacial russa recebeu o nome de plano B. Supõe-se que é uma alternativa ao plano A que consistia no diálogo diplomático entre a Rússia e os EUA sobre a Síria.
 

Os apoiantes principais deste plano são o diretor da CIA John Brennan e o secretário da Defesa norte-americano Ashton Carter.

Entretanto, alguns políticos que antes eram apoiantes do programa, por exemplo, o secretário de Estado John Kerry, encaram este programa com ceticismo. Kerry teme que o fornecimento de novas armas leve a que os militantes matem algum dos militares russos e que isso conduza à confrontação com Moscou, destacou a publicação.


O programa de apoio à oposição "moderada" foi o elemento central da estratégia norte-americana para derrubar o presidente sírio Bashar Assad. Entretanto, segundo cientistas políticos norte-americanos, agora é pouco provável que mesmo uma versão ampliada do programa permita aos EUA alcançar o seu objetivo, tendo em conta a intervenção russa no conflito. Ao mesmo tempo, é muito possível que Obama passe a responsabilidade pelo destino deste programa ao presidente seguinte.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas