Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Japão defende aumento pressão sobre Pyongyang após oferta de dialogo dos EUA

O Japão defendeu nesta quarta-feira que se aumente a pressão sobre a Coreia do Norte, com o objetivo de que esta "mude suas políticas", e reiterou seu apoio total aos Estados Unidos, após a notícia de um possível diálogo bilateral sem condições prévias entre Washington e Pyongyang.
EFE

"Os dois líderes de Japão e Estados Unidos definiram sua política sobre a Coreia do Norte e esta inclui a máxima pressão sobre o país (...) Além disso, a Casa Branca confirmou que não mudou sua postura a respeito", afirmou hoje o ministro porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga.


Durante uma entrevista coletiva, Suga ressaltou "a estreita relação entre Estados Unidos e Japão", depois que o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, afirmou que a ameaça da Coreia do Norte é "a mais imediata" e que continuará com a diplomacia "com a esperança de êxito até que caia a primeira bomba".

Neste sentido, Tillerson se pronunciou ontem sobre a possibilidade de …

Washington Post: Casa Branca considerou hipótese de armar rebeldes sírios para combater aviação russa

A administração do presidente norte-americano Barack Obama considerou a hipótese de fornecer armas pesadas aos rebeldes sírios, o que poderia ajudar a oposição "moderada" a "defender-se da aviação russa e artilharia", informou o jornal norte-americano The Washington Post.


Sputnik


Na última reunião do presidente norte-americano com a sua equipa responsável pela segurança nacional, foi discutido o assunto se os EUA deveriam fornecer novas armas à oposição síria apoiada pela CIA. Entretanto, o plano não foi aprovado nem rejeitado, informou o The Washington Post. 


Caças russos Su-25 decolam da base aérea de Hmeymim na Síria
Sukhoi Su-25 na Síria © Sputnik/ Dmitriy Vinogradov

Tal incerteza neste assunto indica "um ceticismo crescente na administração" em relação ao programa secreto da CIA no âmbito do qual os EUA "têm treinado e armado milhares de militantes sírios nos últimos três anos", diz-se na matéria. 


As propostas de aumentar o apoio aos rebeldes sírios em forma de meios de defesa antiaérea, para ser usada contra a aviação síria e a Força Aeroespacial russa recebeu o nome de plano B. Supõe-se que é uma alternativa ao plano A que consistia no diálogo diplomático entre a Rússia e os EUA sobre a Síria.
 

Os apoiantes principais deste plano são o diretor da CIA John Brennan e o secretário da Defesa norte-americano Ashton Carter.

Entretanto, alguns políticos que antes eram apoiantes do programa, por exemplo, o secretário de Estado John Kerry, encaram este programa com ceticismo. Kerry teme que o fornecimento de novas armas leve a que os militantes matem algum dos militares russos e que isso conduza à confrontação com Moscou, destacou a publicação.


O programa de apoio à oposição "moderada" foi o elemento central da estratégia norte-americana para derrubar o presidente sírio Bashar Assad. Entretanto, segundo cientistas políticos norte-americanos, agora é pouco provável que mesmo uma versão ampliada do programa permita aos EUA alcançar o seu objetivo, tendo em conta a intervenção russa no conflito. Ao mesmo tempo, é muito possível que Obama passe a responsabilidade pelo destino deste programa ao presidente seguinte.


Postar um comentário