Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões

A China desenvolveu sua própria catapulta eletromagnética para os porta-aviões, sendo que anteriormente os EUA eram o único país que usava esse tipo de equipamento. Fazendo isso, o país asiático tem como objetivo melhorar a capacidade de combate dos seus grupos aeronavais.
Sputnik

Engenheiros chineses testaram o protótipo da catapulta eletromagnética de fabricação nacional com aviões de combate J-15, afirmou o contra-almirante chinês Yin Zhuo à edição China Daily. O alto responsável militar especificou que os aviões efetuaram "milhares de decolagens" usando a catapulta.


As catapultas dos porta-aviões são utilizadas para dar um impulso extra à aeronave (o que não é necessário se a aeronave decola do chão), devido à pequena pista de aterrissagem dos porta-aviões. Anteriormente, esse impulso era produzido por vapor.

O dispositivo eletromagnético usa um cabo de aço que liga o avião à catapulta e o faz decolar. De acordo com a mídia, o uso da catapulta foi conseguido devido ao sucess…

A armada temível: os 7 navios mais poderosos da frota russa

Hoje, 30 de outubro, a Rússia festeja o Dia da Fundação da Marinha Nacional. Neste dia, em 1696, uma ordem do imperador russo, Pedro I o Grande, estabeleceu a criação da Marinha. Hoje a Marinha da Rússia conta com mais de 200 navios de combate de superfície. A Sputnik lhes apresenta os melhores dos melhores. 

Sputnik

Pyotr Veliky


Cruzador pesado Pyotr Veliky
© Sputnik/ Dover-Marina.com

O cruzador nuclear pesado Pyotr Veliky é o navio-almirante da Frota do Norte da Rússia e o maior navio de guerra movido a energia nuclear. O navio tem por missão neutralizar grupos aéreos inimigos e navios de superfície, bem como alvos terrestres. Pyotr Veliky também deve garantir a defesa complexa antiaérea e antissubmarino.

Admiral Kuznetsov


Porta-aviões russo Admiral Kuznetsov
© Foto: US Department of Defense

O porta-aviões pesado Admiral Kuznetsov foi projetado para atingir grandes alvos de superfície e para defesa contra embarcações do inimigo. O porta-aviões pode transportar 28 aviões e 24 helicópteros. As capacidades do Admiral Kuznetsov permitem usá-lo como veículo da esquadra mediterrânea da Marinha russa.

Moskva


Cruzador Moskva
© Sputnik/ Grigoriy Sisoev



O cruzador lança-mísseis Moskva é o navio-chefe da Frota do Mar Negro. O Moskva é destinado a atingir navios pesados de superfície inimigos, acima de tudo porta-aviões. Ele garante a estabilidade dos grupos navais onde está integrado. Além disso, o Moskva pode realizar a defesa antiaérea de unidades distantes e realizar apoio de fogo das tropas paraquedistas.

Varyag


Cruzador Varyag
© Sputnik/ Ildus Gilyazutdinov


O cruzador lança-mísseis Varyag, navio-chefe da Frota do Pacífico, é uma espécie de gêmeo do Moskva. Foi construído segundo o mesmo projeto e tem as mesmas capacidades. O navio alcança uma velocidade de 60 km/h e pode efetuar navegação autônoma por 30 dias.

Nastoichivy


Destróier Nastoichivy
© Sputnik/ Konstantin Chalabov

 
O destróier Nastoichivy é o navio-chefe da Frota do Báltico. Entre as suas atribuições está a supressão de alvos terrestres, defesa antiaérea e antinavio e combate às tropas paraquedistas inimigas.

Tatarstan


Navio costeiro Tatarstan
© Sputnik/ Yevgeny Lukovtsev

 
O navio-chefe da Flotilha do Mar Cáspio, navio costeiro Tatarstan, tem capacidade stealth devido ao seu casco ser coberto por uma liga de alumínio e magnésio. O objetivo principal do Tatarstan é a busca e combate de submarinos, navios de superfície, serviço de patrulha, realização de operações de escolta e proteção da zona econômica marítima.

Soobrazitelny


Corveta Soobrazitelny
© Sputnik/ Aleksei Danichev

 
A corveta Soobrazitelny, que faz parte da Frota do Báltico, também é considerado um “navio invisível”. A Soobrazitelny foi projetada para ações na zona marítima próxima, combate a navios de superfície e submarinos e também prestação de apoio de artilharia às tropas de desembarque marítimas.


Postar um comentário