Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

A China vai liberar a exportação do caça J-10B?

Por Bilal Khan | Quwa – Defense news & Analysis Group | Poder Aéreo

A Chengdu Aircraft Corporation (CAC) fez uma exibição estática de seu caça multi-função J-10B no Zhuhai Air Show, na semana passada. 


J-10B no Zhuhai Airshow 2016
J-10B no Zhuhai Airshow 2016

Além do caça, novos sistemas e munições ar-ar e ar-superfície também foram mostrados ao lado do novo avião de combate da Força Aérea do Exército de Libertação Popular (PLAAF).

Atualmente, apenas o J-10A – com a designação FC-20 – está disponível para exportação, pela Aviation Industry Corporation of China (AVIC).

Não está claro até que ponto as mudanças na estrutura do J-10 são sensíveis na visão da PLAAF, embora os subsistemas – ou seja, radar de varredura eletrônica ativa e o sistema de guerra eletrônica (EW) e contramedidas eletrônicas (ECM) são motivo de preocupação.

No entanto, com o Nanjing Research Institute of Electronics Technology (NRIET) apresentando um radar AESA abertamente para o JF-17 de exportação, parece que os chineses estão em posição de liberar seus subsistemas de próxima geração para o mercado, sem arriscar sua segurança nacional.

A AVIC não precisará competir com desempenho puro, mas sim com a realidade de que está oferecendo soluções capazes com as tecnologias atuais a um preço acessível. Uma versão de exportação do J-10B se beneficiaria de camadas de economias de escala graças ao mercado interno expansivo da China.

Por exemplo, a plataforma J-10 é a plataforma de caça multi-função da PLAAF. Nesta fase, os custos indiretos de pesquisa e desenvolvimento terão sido fortemente distribuídos, resultando em um pequeno custo adicional para o futuro cliente de exportação (além do custo de mão-de-obra e materiais).

É o mesmo caso do radar AESA e da tecnologia ECM/EW a bordo do J-10B. O desenvolvimento desses subsistemas não está vinculado ao J-10B, mas é, de fato, relevante para muitas aplicações, incluindo soluções em terra e no mar. Se não já, os chineses terão escala nesta tecnologia de forma expansiva, mais uma vez colocando subsistemas da NRIET e outros sobre uma base de custos favorável.

Com a próxima geração de caças FC-31 (J-31) sendo oferecida para exportação, é curioso que o J-10B ainda não tenha entrado no portfólio da AVIC. Claramente, os chineses não hesitariam em vender seu radar AESA e sua nova tecnologia EW/ECM, pois oferecem o FC-31.

Em contraste com o FC-31, que ainda não garantiu apoio (muito menos encomendas) da PLAAF ou da Marinha do Exército de Libertação Popular (PLAN), o J-10B é um caça completo, adotado e pronto para a produção.

O acesso ao J-10B não exige um investimento separado em pesquisa e desenvolvimento (que é o caso do FC-31), e o J-10B já transporta subsistemas contemporâneos da indústria.

Para uma força aérea que precisa hoje de uma plataforma de caça de peso médio maduro com fatores qualitativos, como um radar AESA, o J-10B é mais atraente do que o FC-31. É um produto tangível.

Pode-se apontar para o Paquistão, mas, além disso, este caça poderia facilmente atrair um conjunto mais amplo de países que simplesmente não teriam acesso aos atuais radares AESA que equipam caças de peso médio. O MiG-35 equipado com Zhuk-AME é essencialmente a única outra opção para países como a Argélia ou o Irã.

O CAC J-10B tem potencial para garantir vendas no curto prazo, o que poderia ser o bilhete da AVIC para aumentar sua relevância no mercado global de caças.



Postar um comentário